Jornal do Commercio
SEM RESPOSTAS

Pais de Marielle cobram respostas sobre assassinato da vereadora

Quase quatro meses após o crime, não se sabe quem matou Marielle Franco e o seu motorista Anderson Gomes

Publicado em 12/07/2018, às 19h40

Procurados pela reportagem, a Polícia Civil e o Gabinete da Intervenção Federal preferiram não falar do caso / Foto: Reprodução/ Facebook
Procurados pela reportagem, a Polícia Civil e o Gabinete da Intervenção Federal preferiram não falar do caso
Foto: Reprodução/ Facebook
Estadão Conteúdo

Os pais da vereadora Marielle Franco, assassinada a tiros com seu motorista, Anderson Gomes, em 14 de março, protestaram nesta quinta-feira (12) contra a falta de informações oficiais da polícia sobre as investigações. Quase quatro meses após o crime, o silêncio da polícia também incomoda amigos da parlamentar e entidades de direitos humanos que acompanham o caso.

"Espero que as pessoas que estão à frente das investigações tenham um compromisso maior com a sociedade e com a família", cobrou a mãe da vereadora morta, Marinete Silva. O pai, Antonio Silva, diz que tudo o que soube sobre o andamento das investigações foi por meio da imprensa. "Estamos sempre esperando que alguém nos procure, nos dê informações, até para amenizar a nossa dor, para sabermos que estão investigando e que vamos ter uma resposta satisfatória."

A viúva de Marielle, Mônica Benício, também se manifestou por meio das redes sociais: "O silêncio da não resposta às perguntas #QuemMatouMarielle #QuemMandouMatarMarielle não fere só a minha alma, mas a de 46.502 eleitores de Marielle, a todas as mulheres, a população negra, LGBTI, favelada e periférica. Fere a todo brasileiro e brasileira que acredita e sonha que esse ainda pode ser um país melhor e mais justo para todos. Fere sobretudo a nossa democracia que não pode aceitar essa barbárie. A não resposta ao assassinato de Marielle fere o mundo nos olha chocado com o terror cometido na noite de 14 de março."



"É compreensível que a investigação corra sob sigilo", diz a diretora de Pesquisas da Anistia Internacional, Renata Neder. "Mas o sigilo das investigações não pode ser confundido com o silêncio das autoridades. É importante que as autoridades venham à público prestar esclarecimentos." Diante da falta de informações, a Anistia Internacional reivindica um mecanismo externo e independente para monitorar a apuração do crime.

Procurados pela reportagem, a Polícia Civil e o Gabinete da Intervenção Federal preferiram não falar do caso. A Secretaria de Segurança Pública foi a única que se manifestou: "A assessoria de comunicação não vai divulgar informações sobre a investigação, que está sob sigilo", afirmou, por meio de nota.


Palavras-chave


Comentários

Por Maíla,13/07/2018

E quantos pais cobram respostas por crimes no país? São milhares de crimes não solucionados! E esse ainda foi um crime, que a "mídia" propagou como um fato gravíssimo, e quer queira ou não ainda há um esforço enorme em tentar desvendá-lo. E o das pessoas pobres e anônimas, igualmente importantes, que faziam trabalhos em comunidades carentes e que não foram nem divulgados e sequer investigados ? E que até hoje, os pais sofrem essas mesmas dores? Passou da conta!

Por Clovis Correia Neto,13/07/2018

Ué, quem mandou matar já se sabe, o problema é provar quem mandou matar né?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM