Jornal do Commercio
Vaticano

Papa Francisco recebe mãe de Marielle Franco

''Foi um encontro muito bonito e emocionante, apesar da dor que sinto'', disse Marinette, mãe da vereadora assassinada

Publicado em 03/08/2018, às 19h17

O Papa Francisco recebeu na quinta-feira (2), no Vaticano, Marinette Silva / Foto: Carol Cittadino/Facebook
O Papa Francisco recebeu na quinta-feira (2), no Vaticano, Marinette Silva
Foto: Carol Cittadino/Facebook
Estadão Conteúdo

O Papa Francisco recebeu na quinta-feira, 2, no Vaticano, Marinette Silva, mãe da ativista brasileira Marielle Franco, assassinada no Rio em 14 de março. De acordo com a família, não foi o primeiro contato entre os dois. Dias após a morte, o pontífice teria ligado para Marinette, após receber uma carta da filha da vereadora do PSOL, Luyara. O contato teria sido intermediado, conforme a mídia italiana, pelo ativista argentino Gustavo Vera e pelo jornalista argentino Lucas Schaerer, da ONG Alameda.

"Foi um encontro muito bonito e emocionante, apesar da dor que sinto", disse Marinette, na Fundação Lelio and Lisli Basso, em Roma, onde ocorreu a reunião e ativistas do movimento pela libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também se reuniram. "Desejava muito esse encontro para dizer a ele pessoalmente o que vivo", continuou a mãe de Marielle, segundo o "La Stampa". Católica fervorsa, ela destacou Francisco como um "líder" verdadeiro para o momento atual. Como se tratou de um ato privado do pontífice, assim como já havia ocorrido com o telefonema, não foram divulgadas informações pelo Vaticano.



Preocupação

Marinette ainda entregou ao papa uma camiseta com imagens da filha. Por sua vez, Francisco afirmou que vem acompanhando informações a respeito e vê com "preocupação" casos como o da ativista. Mais de quatro meses após o assassinato de Marielle e do seu motorista, Anderson Gomes, a polícia ainda investe na pista de que ela e seu motorista foram mortos por milicianos. Essa linha de investigação tem por base o depoimento de uma testemunha-chave que teria apontado como mandantes Curicica e o vereador Marcello Siciliano (PHS). A suspeita é de que Marielle estaria contrariando interesses de ambos na zona oeste carioca.

A defesa de Curicica e de Siciliano nega que eles tenham qualquer relação com a morte da vereadora. E alega que a tal testemunha-chave é, na verdade, um desafeto dos dois.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM