Jornal do Commercio
FIOCRUZ

Vírus Zika foi trazido ao Brasil por imigrantes e militares vindos do Haiti

O caso foi confirmado por um estudo feito pela Fiocruz Pernambuco, que analisou as rotas de chegada do Zika, que se espalhou em várias regiões do Brasil

Publicado em 10/08/2018, às 15h52

Lindomar Pena é um dos pesquisadores envolvidos no estudo / Foto: Divulgação/Fiocruz
Lindomar Pena é um dos pesquisadores envolvidos no estudo
Foto: Divulgação/Fiocruz
JC Online

Imigrantes ilegais vindos do Haiti e militares brasileiros em missão de paz no país podem ter trazido o vírus Zika para o Brasil. Isto é o que diz o novo estudo desenvolvido na Fiocruz Pernambuco, divulgado nesta sexta-feira (10), sobre as possíveis rotas de chegada da doença que se espalhou em vários estados da nação.

Esta afirmação é assegurada por levantamentos anteriores que haviam relatado "casos de chikungunya no Brasil importados do Haiti e da República Dominicana, destacando a América Central e Caribe como rotas importantes para a introdução desse arbovírus no Brasil", como destaca a fundação.

O estudo foi mais à fundo e identificou que o vírus Zika, que surgiu na Polinésia Francesa, não veio de lá diretamente para o Brasil. Antes ele migrou para a Oceania, depois para a Ilha de Páscoa, de onde o vírus se espalhou para a América Central e Caribe, chegando ao Brasil, no final de 2013.

“Isso coincide com o caminho percorrido pelos vírus dengue e chikungunya”, explica um dos investigadores, o pesquisador Lindomar Pena. Isto porque há o registro de que a América Central e Caribe são importantes rotas de entrada para arbovírus na América do Sul.

Pesquisas anteriores

Entre as hipóteses mais frequentes, acreditava-se que o vírus teria entrado no país durante a Copa do Mundo de 2014, entre os dias 12 a 13 de julho, trazido por viajantes africanos. Outra teoria afirmava que a introdução teria ocorrido durante o campeonato mundial de canoagem, realizado em agosto de 2014, no Rio de Janeiro, que recebeu competidores de vários países do Pacífico afetados pelo vírus Zika.



Ainda houve outra vertente de que houveram mais de uma pessoa, que não têm relação alguma entre si, e que trouxeram o Zika para o Brasil. Essas análises anulam a primeira hipótese de que um único paciente seria o responsável por trazer a doença, que depois teria se espalhado em várias regiões.

Medidas de controle

Com a confirmação das rotas do vírus que entram no Brasil, a Fiocruz alerta que esta pode ser uma "informação estratégica para a vigilância epidemiológica e para adoção de medidas de controle e monitoramento dessas doenças". O cuidado maior deve ser tomado em regiões de fronteira com outros países, portos e aeroportos, como destaca o artigo.

Pesquisa

Quatro pesquisadores da Fiocruz Pernambuco, Lindomar Pena, Túlio Campos, Gabriel Wallau e Antonio Rezende, e mais um colaborador da Universidade de Glasgow, no Reino Unido, Alain Kohl, participaram do estudo.

As análises se basearam num total de 4.035 amostras de genomas completos dos três vírus (dengue, chikungunya e zika). Foram usados algoritmos e ferramentas computacionais para confirmar a hipótese.


Recomendados para você


Comentários

Por cezar,11/08/2018

também no brasil tudo si entra facil aqui. apoio o presidente dos estados unidos que não quer essas coisas no pais dele.

Por Doutor,11/08/2018

Não é verdade. A disseminação do vírus ocorreu em 2013 trazida por habitantes do TAITI e não Haiti por conta de um evento , a Copa das Confederações onde a Seleção do Taiti participou como convidada e ficou hospedada aqui. Por isso Pernambuco teve os primeiros casos e a maior incidência. Esta doença é endêmica naquele país.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada
Cantos e Recantos Cantos e Recantos
A temporada de sol está nos espreitando, e a Praia de Boa Viagem é sempre uma opção de passeio. Mas que tal ousar um pouquinho na quilometragem e desbravar outros destinos? Pernambuco tem muitos lugares fantásticos e você vai adorar o roteiro que o JC fe

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM