Jornal do Commercio
QUESTÃO INDÍGENA

Na ONU, entidade denuncia Brasil por 'risco de genocídio' de povos indígenas

Governo brasileiro ainda considera se irá dar uma resposta à denúncia

Publicado em 14/09/2018, às 14h40

No discurso, o CIMI ainda alerta que, até agora, os povos indígenas
No discurso, o CIMI ainda alerta que, até agora, os povos indígenas "não obtiveram justiça por graves violações, passadas e recorrentes, uma vez que são também excluídos no processo de memória no Brasil"
Foto: José Cruz/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O Brasil é denunciado na ONU por "risco de genocídio" no caso dos povos indígenas. Nesta sexta-feira, 14, a acusação foi apresentada pelo Conselho Indigenista Missionário (CIMI) durante reunião do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra.

O governo brasileiro ainda considera se irá dar uma resposta à denúncia. Pelas práticas do Conselho de Direitos Humanos, as réplicas são reservadas para o final do dia.

De acordo com a entidade, houve uma "profunda extinção" dos povos indígenas no último século, passando de 4% da população para apenas 0,4%.

Guarani-Kaiowá

Mas são as ameaças e mortes nos últimos anos que foram os alvos da denúncia. "A taxa de homicídio na população Guarani-Kaiowá em Dourados é de 88 para cada cem mil pessoas, quase o triplo da taxa média do Brasil", disse Paulo Lugon Arantes, que leu a denúncia em nome da entidade indigenista.

De acordo com o grupo, o caso dos Guarani-Kaiowá cumprem pelo menos sete fatores e 16 indicadores estabelecidos pela ONU para designar um genocídio.



"O discurso político de ódio no país, um dos 14 fatores de risco de genocídio, tem legitimado e alimentado uma série de ataques violentos contra povos indígenas", declarou. "Apelamos para que o Brasil leve a sério risco de atrocidade contra os povos indígenas", apelou Arantes.

'Violações'

No discurso, o CIMI ainda alerta que, até agora, os povos indígenas "não obtiveram justiça por graves violações, passadas e recorrentes, uma vez que são também excluídos no processo de memória no Brasil".

"A Comissão Nacional da Verdade no Brasil identificou políticas específicas e deliberadas, por parte do regime militar, de extermínio dos povos indígenas e práticas horríveis, como o desfile público de indígenas submetidos à tortura", declarou Arantes.

Segundo ele, a Comissão "recomendou a demarcação de seus territórios, reconhecimento estatal das violações estatais como formas de reparação". O grupo também lembrou que a Comissão Nacional da Verdade sugeriu que um mecanismo similar também fosse estabelecido para os povos indígenas.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM