Jornal do Commercio
MAIS MÉDICOS

Cuba sai do programa Mais Médicos por declarações de Bolsonaro

O governo cubano rechaçou as modificações anunciadas pelo presidente eleito e as críticas aos profissionais do país caribenho

Publicado em 14/11/2018, às 12h55

O governo anunciou a retirada dos médicos cubanos do programa nesta quarta (14) / Foto: Karina Zambrana /ASCOM/MS
O governo anunciou a retirada dos médicos cubanos do programa nesta quarta (14)
Foto: Karina Zambrana /ASCOM/MS
AFP

Cuba rejeitou nesta quarta-feira (14) as modificações anunciadas pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, ao Programa Mais Médicos e decidiu suspender a participação de seus profissionais - informou um comunicado oficial.

"O Ministério de Saúde Pública de Cuba tomou a decisão de não continuar participando do Programa Mais Médicos e assim comunicou à diretora da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) e aos líderes políticos brasileiros que fundaram e defenderam esta iniciativa", diz o texto.

Em diferentes ocasiões durante sua campanha eleitoral, Bolsonaro anunciou que suspenderia esse programa com a OPAS e Cuba e que seu governo contrataria individualmente médicos que desejassem permanecer no Brasil.



Cuba considera declarações "depreciativas"

"As modificações anunciadas impõem condições inaceitáveis e violam as garantias acertadas desde o início do Programa", diz o texto oficial cubano, acrescentando que "não é aceitável questionar a dignidade, o profissionalismo e o altruísmo dos colaboradores cubanos".

O comunicado considera que as declarações de Bolsonaro têm "referências diretas, depreciativas e ameaçadoras à presença de nossos médicos" e fala em desrespeito à Organização Pan-Americana da Saúde e ao acordo com Cuba "ao questionar a preparação de nossos médicos e condicionar sua permanência no programa à revalidação do título e como única forma de se contratar individualmente".

O Programa de Médicos está em andamento desde agosto de 2013 com médicos de diversos países e, desde então, quase 20 mil médicos cubanos já atenderam 113,5 milhões de brasileiros, segundo o texto.


Recomendados para você


Comentários

Por E quem vai substituir estes médicos?,14/11/2018

OK! E agora quem vai para lugar dos médicos cubanos em mais de 4.000 municípios brasileiros até então atendidos? Os filhos da classe média alta que estudam, gratuitamente, nas universidades federais e que não aceitam sair das capitais para trabalhar no interior? Mais uma medida estúpida desde acéfalo!

Por Antônio Tadeu,14/11/2018

Atitude louvável do Presidente eleito Bolsonaro. O governo Cubano confisca quase todo salário pago pelo governo brasileiro a esses pobres , dedicados e competentes médicos.Só os Petistas aceitavam e aceitam tal injustiça. Não vamos financiar essa ditadura sanguinária imposta aos cubanos pela força das armas. Palmas para o nosso Capitão.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM