Jornal do Commercio
Investigação

Pedido de prisão de Pezão cita 25 bilhetes com informe de valores

O documento tem 151 páginas e estava sob sigilo

Publicado em 02/12/2018, às 11h18

Preso na quinta-feira, 29, Pezão está detido na Unidade Prisional da Polícia Militar, no Fonseca, no Rio de Janeiro / Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Preso na quinta-feira, 29, Pezão está detido na Unidade Prisional da Polícia Militar, no Fonseca, no Rio de Janeiro
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Agência Estado

A petição encaminhada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) pedindo a prisão do governador do Estado do Rio, Luiz Fernando Pezão (MDB), informa a existência de 25 bilhetes que citam o governador ou codinomes ligados a ele ao lado de valores que, somados, chegam a R$ 2,2 milhões. Além disso, há uma transcrição de conversa telefônica em que Pezão considera interceder em favor de Sergio Cabral junto à direção do presídio Bangu 8, onde o ex-governador cumpre pena.

O documento tem 151 páginas e estava sob sigilo, que foi levantado nesse sábado pelo ministro Felix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Foi ele quem autorizou a prisão de Pezão.

Segundo trecho da peça, "foram identificadas anotações com datas e valores que fazem referências a pagamentos realizados a 'PÉ', 'PZÃO', 'PEZÃO', 'BIG FOOT' e 'PEZZONE'. No total são 25 ocorrências, cuja maioria revela transferência de grandes vantagens indevidas para o governador PEZÃO. O montante ultrapassa R$ 2,2 milhões. Foi possível identificar pagamentos realizados entre os anos de 2012 a 2014".



Mais detalhes

Em outro trecho da petição, a procuradora Raquel Dodge transcreve uma conversa telefônica em que Luiz Fernando Pezão considera ajudar Sergio Cabral. A conversa aconteceu em julho, logo após Cabral se desentender com procuradores que faziam uma inspeção em Bangu 8 e, por conta disso, ter sido encaminhado para outra cela. Na conversa, Pezão se compromete a "entrar no circuito".

Segundo a peça assinada por Raquel Dodge, a conversa telefônica mostraria que "as atuais ligações de Pezão com a organização criminosa segue ativa ainda hoje" e que o governador "desfruta de vínculos com o condenado e associado Sergio Cabral".

Preso na quinta-feira, 29, Pezão está detido na Unidade Prisional da Polícia Militar, no Fonseca, em Niterói. Ele está em uma cela especial por prerrogativa de cargo, mas segundo a PM sua rotina é igual à dos demais presos. O Estado não conseguiu contato com a defesa do governador do Rio.



OFERTAS

Especiais JC

Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.
Mãe Guerreira Mãe Guerreira
Junto com uma criança, nasce sempre uma mãe, que enfrenta inúmeros desafios para educar, acolher e dar o melhor aos filhos. Por isso, todas elas carregam em si a força e a coragem de verdadeiras guerreiras.
JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM