Jornal do Commercio
Pacto Global pela Imigração

Sem os EUA, ONU lança plano de imigração

As nações concordaram que é preciso prover a imigração segura para as pessoas que saíram de seus países por problemas de guerra, necessidades econômicas ou mudanças climáticas

Publicado em 11/12/2018, às 08h14

O pacto teve oposição de políticos que querem reforçar as fronteiras e dizem que o acordo pode ameaçar a soberania nacional  / Foto: Johan ORDONEZ / AFP
O pacto teve oposição de políticos que querem reforçar as fronteiras e dizem que o acordo pode ameaçar a soberania nacional
Foto: Johan ORDONEZ / AFP
Estadão Conteúdo

Representantes de 160 países e funcionários do alto escalão da ONU se reuniram nessa segunda-feira (10), no Marrocos para adotar o Pacto Global pela Imigração. O evento teve a presença do secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, e da chanceler alemã, Angela Merkel, que foi ovacionada após fazer discurso favorável à imigração.

Sem a presença dos Estados Unidos, que não participaram da cerimônia porque abandonaram as negociações do acordo, em dezembro de 2017, as nações concordaram que é preciso prover a imigração segura para pessoas que saíram de seus países por problemas de guerra, por necessidades econômicas ou por mudanças climáticas.

Guterres chamou o acordo de "um caminho para prevenir sofrimento e caos" e disse que foi feito para beneficiar a todos. Ele acrescentou que, desde 2000, em torno de 60 mil pessoas morreram ao tentar imigrar, o que caracterizou como "uma fonte de vergonha coletiva". O secretário-geral também disse que a organização não vai impor políticas migratórias a seus membros e garantiu que o acordo não é obrigatório.



Merkel disse que a União Europeia "vai precisar cada vez mais de mais mão de obra qualificada de fora" do território europeu, defendendo o acordo da ONU, que se compromete "a proteger as fronteiras, a emitir documentos necessários para as pessoas e a ajudar a readmissão dos imigrantes".

Oposição

O Pacto Global pela Imigração teve oposição de políticos que querem reforçar as fronteiras e dizem que o acordo pode ameaçar a soberania nacional ao aumentar o fluxo de imigrantes. "Nós já havíamos dito que a imigração não é um direito humano. Os países têm o direito de determinar a entrada de cidadãos estrangeiros", afirmou o governo do presidente chileno, Sebastián Piñera. O presidente americano, Donald Trump, retirou seu país das discussões em dezembro de 2017 por considerar que questões internas, como a imigração, devem ser decididas no âmbito do governo dos EUA. (Com agências)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.
Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM