Jornal do Commercio
Pacto Global pela Imigração

Sem os EUA, ONU lança plano de imigração

As nações concordaram que é preciso prover a imigração segura para as pessoas que saíram de seus países por problemas de guerra, necessidades econômicas ou mudanças climáticas

Publicado em 11/12/2018, às 08h14

O pacto teve oposição de políticos que querem reforçar as fronteiras e dizem que o acordo pode ameaçar a soberania nacional  / Foto: Johan ORDONEZ / AFP
O pacto teve oposição de políticos que querem reforçar as fronteiras e dizem que o acordo pode ameaçar a soberania nacional
Foto: Johan ORDONEZ / AFP
Estadão Conteúdo

Representantes de 160 países e funcionários do alto escalão da ONU se reuniram nessa segunda-feira (10), no Marrocos para adotar o Pacto Global pela Imigração. O evento teve a presença do secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, e da chanceler alemã, Angela Merkel, que foi ovacionada após fazer discurso favorável à imigração.

Sem a presença dos Estados Unidos, que não participaram da cerimônia porque abandonaram as negociações do acordo, em dezembro de 2017, as nações concordaram que é preciso prover a imigração segura para pessoas que saíram de seus países por problemas de guerra, por necessidades econômicas ou por mudanças climáticas.

Guterres chamou o acordo de "um caminho para prevenir sofrimento e caos" e disse que foi feito para beneficiar a todos. Ele acrescentou que, desde 2000, em torno de 60 mil pessoas morreram ao tentar imigrar, o que caracterizou como "uma fonte de vergonha coletiva". O secretário-geral também disse que a organização não vai impor políticas migratórias a seus membros e garantiu que o acordo não é obrigatório.



Merkel disse que a União Europeia "vai precisar cada vez mais de mais mão de obra qualificada de fora" do território europeu, defendendo o acordo da ONU, que se compromete "a proteger as fronteiras, a emitir documentos necessários para as pessoas e a ajudar a readmissão dos imigrantes".

Oposição

O Pacto Global pela Imigração teve oposição de políticos que querem reforçar as fronteiras e dizem que o acordo pode ameaçar a soberania nacional ao aumentar o fluxo de imigrantes. "Nós já havíamos dito que a imigração não é um direito humano. Os países têm o direito de determinar a entrada de cidadãos estrangeiros", afirmou o governo do presidente chileno, Sebastián Piñera. O presidente americano, Donald Trump, retirou seu país das discussões em dezembro de 2017 por considerar que questões internas, como a imigração, devem ser decididas no âmbito do governo dos EUA. (Com agências)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM