Jornal do Commercio
Decisão Judicial

Juíza diz não haver necessidade de transferir João de Deus para hospital

Após passar mal na quarta-feira (02), o médium foi atendido no núcleo de custódia da unidade prisional e encaminhado para um hospital

Publicado em 05/01/2019, às 08h48

A juíza informou, ainda, que os exames detectaram apenas discreta presença de sangue na urina do médium, sem infecção / Foto: Evaristo Sá / AFP
A juíza informou, ainda, que os exames detectaram apenas discreta presença de sangue na urina do médium, sem infecção
Foto: Evaristo Sá / AFP
Agência Estado
Com informações da Agência Brasil

A juíza Marli de Fátima Naves, do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO), afirmou nesta sexta-feira, 4, que não há, "até a presente data", qualquer variação no estado de saúde do médium João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus, que exija a transferência dele do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia para um hospital.

A manifestação da juíza ocorre após o Supremo Tribunal Federal (STF) ter determinado nesta quinta-feira, 3, que o TJ-GO informasse, em 48 horas, a situação de saúde do médium. 

Segundo a juíza, em ofício encaminhado ao presidente do STF, ministro Dias Toffoli, após passar mal na quarta-feira, 2, João de Deus foi atendido no núcleo de custódia da unidade prisional e encaminhado, em seguida, para o Hospital de Urgência de Goiânia. A juíza informou, ainda, que os exames detectaram apenas discreta presença de sangue na urina do médium, sem infecção.



Saúde

A juíza destacou que, após sentir-se mal, o médium foi atendido de forma célere e adequada às condições de saúde e idade do paciente. Na quarta-feira, 2, João de Deus teve de deixar o presídio onde está detido, e ser atendido às pressas após ter passado mal. No dia seguinte, o médium voltou ao Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia.

Nesta sexta, após a manifestação da juíza, Dias Toffoli pediu que a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifeste sobre o pedido de liberdade feito pela defesa do médium. Com a decisão, a PGR terá 48 horas para apresentar um parecer sobre o pedido de prisão domiciliar.

O médium está preso desde o dia 16 de dezembro sob a acusação de violação sexual mediante fraude e dois crimes de estupro de vulnerável. A prisão ocorreu depois que uma série de denúncias de mulheres sobre os abusos veio à tona.





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.
Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM