Jornal do Commercio
Brasil

Indefinição na Apex traz saia justa para governo Bolsonaro

Alex Carreiro se recusou a ser demitido pelo ministro Ernesto Araújo

Publicado em 10/01/2019, às 18h15

Carreiro é próximo da família Bolsonaro / Divulgação
Carreiro é próximo da família Bolsonaro
Divulgação
Estadão Conteúdo

Mesmo depois de ter tido sua demissão anunciada no Twitter pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, o presidente da Agência de Promoção de Exportações e Atrações de Investimentos (Apex-Brasil), Alex Carreiro, despachou normalmente nesta quinta-feira, 10, no prédio do órgão. De acordo com fontes ouvidas pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, Carreiro não aceita ser demitido por Araújo e continuará atuando enquanto não for exonerado pelo presidente Jair Bolsonaro, que é o responsável pelo cargo.

A Apex confirmou, em nota, que Carreiro "nomeado para o cargo pelo presidente da República", cumpriu expediente normal na agência hoje, "tendo efetuado despachos internos e recebido para audiências autoridades de Estado". A agência, no entanto, não informou quem foram as autoridades recebidas pelo presidente.

A situação na Apex abriu mais uma crise no governo Bolsonaro. Carreiro foi indicado ao cargo pela bancada do PSL e é próximo do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ) e do próprio presidente. Ontem, Ernesto Araújo disse, no Twitter, que Carreiro pediu "o encerramento de suas funções como Presidente da Apex". No mesmo tuíte, Araújo disse que tinha indicado o embaixador Mario Vilalva a Bolsonaro.

Segundo interlocutores de Carreiro, no entanto, não foi isso que ocorreu. Carreiro teria se reunido com Araújo para reclamar de outra indicação de Bolsonaro para a agência, a diretora de Negócios Letícia Catel, que atuou como assessora de imprensa durante a transição.



De acordo com fontes, Letícia, que é próxima de Araújo, não gostou de Carreiro ter exonerado 18 pessoas em menos de uma semana no governo e queria reverter as exonerações. Na reunião, Araujo sugeriu que Carreiro pedisse demissão, mas ele se negou. Ao sair do encontro, no entanto, o chanceler publicou o tuíte. Segundo fontes, Carreiro viu nisso uma tentativa de criar um "fato consumado" e forçá-lo a sair do cargo. Ele já teria procurado o presidente Bolsonaro, mas ainda não falou com ele.

Reunião

Araújo participava nesta tarde da reunião ampliada do presidente Bolsonaro com as Forças Armadas no Palácio do Planalto. O encontro começou por volta das 17h30.

Carreiro mostrou a deputados do PSL troca de mensagens pelo WhatsApp que comprovariam que ele não pediu demissão como informou o ministro nas suas redes sociais, mas foi forçado a deixar o cargo na Apex.

Hoje, Carreiro também procurou interlocutores no Palácio do Planalto para apresentar sua versão. Segundo assessores de Bolsonaro, ele não conversou pessoalmente com o presidente da República. Ernesto Araújo, por sua vez, teve uma reunião com o ministro Augusto Heleno (GSI) no início da manhã.

Palavras-chave




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM