Jornal do Commercio
Normas

Amigo de Bolsonaro indicado na Petrobrás fere critérios da estatal

Presidente indicou o capitão-tenente da reserva da Marinha Carlos Victor Nagem para a gerência Executiva de Inteligência e Segurança Corporativa

Publicado em 11/01/2019, às 20h23

Bolsonaro usou perfil do Twitter para defender Nagem / AFP
Bolsonaro usou perfil do Twitter para defender Nagem
AFP
Estadão Conteúdo

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) denunciou nesta sexta-feira, 11, que a indicação do capitão-tenente da reserva da Marinha e funcionário da Petrobras há anos, Carlo Victor Guerra Nagem, amigo do presidente Jair Bolsonaro, para a gerência Executiva de Inteligência e Segurança Corporativa fere o Plano de Cargos e Remuneração (PCR) da estatal.

Segundo os critérios da petroleira, a vaga requer pelo menos 10 anos de experiência gerencial na área em empresa de grande porte nacional ou internacional, o que não seria o caso de Nagem. A gerência para a qual foi indicado é responsável por toda a segurança própria e contratada da Petrobras, respondendo por centenas de contratos em todo o País. Segundo a federação, Bolsonaro nomeou um profissional pleno para um cargo sênior, triplicando o seu salário, que passa a girar em torno dos R$ 50 mil.

"Após promover o filho do vice Mourão no Banco do Brasil, Jair Bolsonaro gera nova indignação ao interferir a favor da indicação de um 'amigo particular' para ocupar a Gerência Executiva de Inteligência e Segurança Corporativa da Petrobras", disse a FUP em nota, lembrando que Nagem disputou cargos legislativos pelo Partido Social Cristão (PSC), com apoio do presidente eleito, mas foi derrotado.

Em sua conta oficial do Twitter, Bolsonaro defendeu nesta sexta-feira a indicação de Nagem, alegando que o amigo tem um currículo com várias atribuições externas que o qualificam para o cargo. Mais tarde, o presidente anunciou também pelo Twitter a indicação de outro militar para a Petrobras, o tenente da reserva Marcelo Dias, que poderá ocupar a gerência de inteligência da petroleira.

Bolsonaro usa Twitter para indicar outro militar para gerência da Petrobras

O presidente Jair Bolsonaro usou as redes sociais para anunciar mais um nome militar para a Petrobras. Após a polêmica com a indicação do amigo do presidente e capitão-tenente da reserva da Marinha Carlos Victor Guerra Nagem, agora Bolsonaro anunciou o tenente da reserva Marcelo Dias para a gerência de inteligência da petroleira.

Pelo Twitter, Bolsonaro disse que Dias é concursado e "foi retirado por Miki dessa mesma função em 2018". Regina Miki ocupava o posto que será de Nagem e foi classificada como "petista" pelo presidente da República que publicou uma foto em que a ex-funcionária estaria com um grupo de pessoas segurando cartazes da campanha eleitoral de Dilma Rousseff.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM