Jornal do Commercio
EXPLICAÇÃO

MEC nega que demissões do FNDE tenham relação com polêmica de edital de livros

Hipótese foi levantada por outros servidores, já que um dos afastados foi o responsável por assinar a medida dos livros didáticos

Publicado em 11/01/2019, às 16h55

Em nota, a pasta disse que as exonerações
Em nota, a pasta disse que as exonerações "ocorrem pela reorganização administrativa"
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
JC Online
Com informações do UOL

Após as exonerações de dez servidores do Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação (FNDE), nesta sexta-feira (11), o Ministério da Educação (MEC) negou que a motivação das demissões tenha sido a polêmica mudança no edital de livros didáticos, hipótese levantada por outros servidores, já que um dos afastados foi o responsável por assinar a medida.

Foram exonerados o chefe do Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação (FNDE), Rogério Fernando Lot, e outros nove comissionados da autarquia.

Lot atuava como presidente interino do FNDE e foi ele quem assinou a retificação no edital publicado no Diário Oficial da União no dia 2 de janeiro. .

Em nota, a pasta disse que as exonerações "ocorrem pela reorganização administrativa que o Ministério da Educação pretende fazer com a chegada da nova gestão, e não têm relação com o erro na publicação da retificação do PNLD 2020".



Entre os nove comissionados, estão:

- dois assessores;

- um coordenador-geral de articulação e contratos;

- um coordenador-geral de mercado, qualidade e compras;

- um coordenador-geral de recursos logísticos;

- um coordenador-geral dos programas do livro;

- um coordenador-geral de apoio à manutenção escolar;

- um coordenador-geral de acompanhamento jurídico; e

- uma subprocuradora federal do FNDE.

Mudanças

As alterações haviam sido realizadas no edital do PNLD (Programa Nacional do Livro Didático) 2020, que orienta a produção de livros para alunos do 6º ao 9º ano do ensino fundamental, e foi publicada no segundo dia do governo de Jair Bolsonaro (PSL).

Na quarta-feira (9), o ministro Ricardo Vélez Rodríguez anunciou a anulação da nova versão do edital.

Vélez afirmou, em comunicado, que anulou as alterações em vista de "erros detectados" e afirmou que o documento foi produzido na gestão anterior do MEC (Ministério da Educação) --isto é, durante a gestão de Michel Temer (MDB).

As alterações publicadas no dia 2 de janeiro suscitaram polêmica por:

- Não exigir referências bibliográficas na estrutura editorial dos livros;

- Ter excluído orientações anteriores para que as obras tivessem compromisso educacional com a agenda da não-violência com a mulher, além de promover "positivamente" a cultura e a história afro-brasileira, quilombola, dos povos indígenas e do campo;

- Ter retirado um trecho que proibia a existência de publicidade, marcas, produtos ou serviços comerciais nos livros.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM