Jornal do Commercio
EXPLICAÇÃO

MEC nega que demissões do FNDE tenham relação com polêmica de edital de livros

Hipótese foi levantada por outros servidores, já que um dos afastados foi o responsável por assinar a medida dos livros didáticos

Publicado em 11/01/2019, às 16h55

Em nota, a pasta disse que as exonerações
Em nota, a pasta disse que as exonerações "ocorrem pela reorganização administrativa"
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
JC Online
Com informações do UOL

Após as exonerações de dez servidores do Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação (FNDE), nesta sexta-feira (11), o Ministério da Educação (MEC) negou que a motivação das demissões tenha sido a polêmica mudança no edital de livros didáticos, hipótese levantada por outros servidores, já que um dos afastados foi o responsável por assinar a medida.

Foram exonerados o chefe do Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação (FNDE), Rogério Fernando Lot, e outros nove comissionados da autarquia.

Lot atuava como presidente interino do FNDE e foi ele quem assinou a retificação no edital publicado no Diário Oficial da União no dia 2 de janeiro. .

Em nota, a pasta disse que as exonerações "ocorrem pela reorganização administrativa que o Ministério da Educação pretende fazer com a chegada da nova gestão, e não têm relação com o erro na publicação da retificação do PNLD 2020".



Entre os nove comissionados, estão:

- dois assessores;

- um coordenador-geral de articulação e contratos;

- um coordenador-geral de mercado, qualidade e compras;

- um coordenador-geral de recursos logísticos;

- um coordenador-geral dos programas do livro;

- um coordenador-geral de apoio à manutenção escolar;

- um coordenador-geral de acompanhamento jurídico; e

- uma subprocuradora federal do FNDE.

Mudanças

As alterações haviam sido realizadas no edital do PNLD (Programa Nacional do Livro Didático) 2020, que orienta a produção de livros para alunos do 6º ao 9º ano do ensino fundamental, e foi publicada no segundo dia do governo de Jair Bolsonaro (PSL).

Na quarta-feira (9), o ministro Ricardo Vélez Rodríguez anunciou a anulação da nova versão do edital.

Vélez afirmou, em comunicado, que anulou as alterações em vista de "erros detectados" e afirmou que o documento foi produzido na gestão anterior do MEC (Ministério da Educação) --isto é, durante a gestão de Michel Temer (MDB).

As alterações publicadas no dia 2 de janeiro suscitaram polêmica por:

- Não exigir referências bibliográficas na estrutura editorial dos livros;

- Ter excluído orientações anteriores para que as obras tivessem compromisso educacional com a agenda da não-violência com a mulher, além de promover "positivamente" a cultura e a história afro-brasileira, quilombola, dos povos indígenas e do campo;

- Ter retirado um trecho que proibia a existência de publicidade, marcas, produtos ou serviços comerciais nos livros.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.
Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM