Jornal do Commercio
INDENIZAÇÃO

Vale apresenta proposta para ressarcir famílias de vítimas em Brumadinho

Por danos materiais, a mineradora propôs o pagamento mensal do correspondente a 2/3 de um salário mensal líquido do trabalhador até a data em que ele completaria 75 anos

Publicado em 08/02/2019, às 20h54

O rompimento da barragem Mina do Feijão, em Brumadinho, aconteceu no dia 25 de janeiro / Foto: Mauro Pimentel / AFP
O rompimento da barragem Mina do Feijão, em Brumadinho, aconteceu no dia 25 de janeiro
Foto: Mauro Pimentel / AFP
Estadão Conteúdo

A Vale apresentou nesta sexta-feira (8) uma proposta para indenização aos familiares dos trabalhadores vítimas do rompimento da barragem da mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Os termos foram levados em reunião de negociação com o Ministério Público do Trabalho (MPT), em Belo Horizonte.

Por danos morais, a Vale propõe indenizações de acordo com o parentesco em relação aos funcionários que foram vítimas do rompimento. Os maiores valores são de R$ 300 mil, para cônjuges ou companheiros, e para cada filho. Para pai e mãe, indenização de R$ 150 mil para cada um, e para irmãos, R$ 75 mil para cada.

Por danos materiais, a Vale propôs o pagamento mensal do correspondente a 2/3 de um salário mensal líquido do trabalhador até a data em que ele completaria 75 anos. Para os empregados, a Vale propõe garantia de emprego ou salário até o final deste ano.



A proposta prevê ainda a cobertura dos custos com plano médico para familiares dos trabalhadores próprios e terceirizados, no regime de credenciamento, com abrangência no Estado de Minas, sendo vitalício para aqueles que tiveram cônjuges ou companheiros mortos na tragédia, e até os 22 anos para os dependentes.

Negociações

A Vale afirma que as negociações estão em andamento, mas que após a reunião assumiu alguns compromissos de imediato, como a garantia de emprego e plano médico, atendimento psicológico aos trabalhadores até alta médica, auxílio-creche de R$ 920 para os filhos de até 3 anos de idade dos trabalhadores, e auxílio-educação de R$ 998 para os filhos até completarem 18 anos.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM