Jornal do Commercio
AUDIÊNCIA

Convertida em provisória a prisão em flagrante de acusados na morte de Marielle

Ronnie Lessa e Élcio Vieira de Queiroz foram presos em flagrante nessa terça-feira (12) no Rio de Janeiro

Publicado em 14/03/2019, às 19h00

Marielle Franco e Anderson Gomes foram mortos no dia 14 de março de 2018  / Fotos: Renan Olaz/CMRJ e Divulgação/Polícia Civil
Marielle Franco e Anderson Gomes foram mortos no dia 14 de março de 2018
Fotos: Renan Olaz/CMRJ e Divulgação/Polícia Civil
Estadão Conteúdo

O policial militar reformado Ronnie Lessa, acusado de matar a vereadora Marielle Franco (PSOL), e o ex-PM Élcio Queiroz, que dirigia o carro do assassino, vão continuar presos. A prisão em flagrante dos dois, nessa terça-feira (12), foi convertida em provisória pela Justiça. Agora, eles serão transferidos para uma prisão federal. A decisão foi divulgada na tarde desta quinta-feira (14) após uma audiência de custódia, mas o local e quando eles irão não foi informado.

Na mesma audiência ficou decidido que Alexandre Mota, que também foi preso em flagrante nessa terça-feira, seguirá detido.

Os três fizeram nesta quinta-feira exame de corpo de delito e retornaram à Delegacia de Homicídios, na Barra da Tijuca, na zona oeste, onde devem prestar depoimento ainda hoje sobre o crime. Somente na manhã de sexta-feira eles devem ser transferidos para o Complexo de Gericinó.

Alexandre foi preso em flagrante em sua casa, no Méier, na zona norte, por abrigar peças suficientes para montar 117 fuzis. Ronnie Lessa, que é amigo de infância de Alexandre, foi detido também em flagrante, no mesmo dia, por ser o dono das peças de fuzis. Élcio Queiróz, por sua vez, também foi preso em flagrante pela posse irregular de duas pistolas.



Investigações

Nas investigações sobre as mortes de Marielle e do motorista Anderson Gomes, no entanto, Lessa é apontado como autor dos 13 disparos. Queiroz, por sua vez, estaria ao volante do Cobalt Prata. Lessa e Élcio também foram denunciados pela tentativa de assassinato de Fernanda Chaves, a assessora da vereadora que também estava no carro mas sobreviveu ao ataque.

Os advogados de Lessa e Queiróz dizem que seus clientes são inocentes. Eles descartaram a hipótese de seus clientes fazerem uma delação premiada para apontar os mandantes do crime - hipótese levantada pelo governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Sozinhas nasce uma mãe Sozinhas nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.
Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM