Jornal do Commercio
Decreto

Mudanças em decreto restringem porte de fuzil a cidadão comum

As alterações foram feitas após questionamentos gerados pelo decreto

Publicado em 22/05/2019, às 08h54

O governo, no entanto, declarou que as alterações não mudam a essência do decreto / Foto: Léo Motta/JC Imagem
O governo, no entanto, declarou que as alterações não mudam a essência do decreto
Foto: Léo Motta/JC Imagem
Com informações do UOL

O governo federal voltou atrás e realizou alterações no decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), que ampliava o porte armas em todo o Brasil. As modificações foram publicadas na edição desta quarta-feira (22) do Diário Oficial da União e restringe o porte de fuzis, carabinas e espingardas ao cidadão comum. As mudanças foram feitas após questionamentos gerados pelo decreto. Mais de 20 pontos do texto original foram modificados, segundo informação do Planalto. Dentre eles, o novo texto traz vedação expressa à concessão de porte de armas de fogo portáteis e não portáteis para defesa pessoal.

A polêmica chegou a gerar, inclusive, uma manifestação contrária de 14 governadores. De acordo com o Planalto, as mudanças foram motivadas por "questionamentos feitos perante o Poder Judiciário, no âmbito do Poder Legislativo e pela sociedade em geral". Há questionamentos também no Supremo Tribunal Federal (TRF). O governo, no entanto, declarou que as alterações não mudam a essência do decreto.

Em partes, a polêmica foi gerada devido aos fuzis. Segundo a fabricante Taurus, o acesso a esse tipo de armamento havia sido facilitado pela primeira versão do decreto. Além disso, a empresa disse que já havia fila de interessados. O governo negou que o texto permitia fuzis. O novo decreto diferencia os conceitos de arma de fogo de porte, portátil e não portátil.



A arma de fogo de porte autorizada consiste em pistolas, revólveres e garruchas, ou seja, com dimensões e peso reduzidos e que podem ser disparadas pelo atirador com apenas uma das mãos. Já as armas de fogo portáteis não autorizadas envolvem os fuzis, carabinas e espingardas. Nesse caso, devido ao tamanho e peso, podem ser transportadas por uma pessoa. As armas de fogo não portáveis não autorizadas precisam ser transportadas por mais de uma pessoa, com utilização de veículos.

O novo decreto esclarece que a validade do porte de arma é de dez anos. A nova redação ainda proíbe "as munições incendiárias, as químicas e outras vedadas em acordos e tratados internacionais dos quais o Brasil seja signatário".

Área rural

De acordo com o governo, a autorização na área rural só vale para quem tem imóvel e "se dedica à exploração agrícola, pecuária, extrativa vegetal, florestal e agroindustrial". A versão anterior do decreto era mais abrangente e falava apenas de moradores das áreas rurais.

Recomendados para você




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM