Jornal do Commercio
Notícia
TRF-2

Tribunal nega amparo da Lei da Anistia a militar acusado de tortura e estupro

Trata-se da primeira vez que um militar é acusado formalmente no Brasil de um crime penal por atos cometidos durante a ditadura

Publicado em 14/08/2019, às 21h43

Segundo informe de 2014 da Comissão Nacional da Verdade, a ditadura foi responsável por 434 mortes e desaparecimentos / Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Segundo informe de 2014 da Comissão Nacional da Verdade, a ditadura foi responsável por 434 mortes e desaparecimentos
Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
AFP

O Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), uma corte de apelações, aceitou nesta quarta-feira (14) denúncia contra um militar acusado de atrocidades durante a ditadura (1964-1985), negando-lhe o benefício da Lei de Anistia, uma decisão que se choca com as posições do presidente Jair Bolsonaro.

A Justiça Federal de Petrópolis, uma corte de primeira instância, havia outorgado o benefício da anistia em 1979 ao sargento do Exército reformado Antônio Waneir Pinheiro de Lima, acusado de sequestro, cárcere privado e estupro da historiadora Inês Etienne Romeu, no começo dos anos 1970. A defesa também alegou que os crimes estariam prescritos desde 1983.

Mas o TRF2 aceitou por dois votos a favor e um contra o recurso do Ministério Público Federal (MPF), que alegou que os crimes atribuídos ao sargento, conhecido como Camarão na época do regime militar, são imprescritíveis por serem contra a humanidade, como prevê o Estatuto de Roma, ratificado pelo Brasil.

"Casa da Morte"

O caso que levou à denúncia está relacionado a atos violentos praticados contra a historiadora, falecida em 2015, na chamada "Casa da Morte", usada como centro de tortura pelos militares em Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro.

Segundo o MPF, pelo menos 18 pessoas foram mortas no local.

O caso deve voltar agora à primeira instância. Qualquer que seja o veredicto, trata-se da primeira vez que um militar é acusado formalmente no Brasil de um crime penal por atos cometidos durante a ditadura.



Coronel Ustra

Em 2008, um tribunal reconheceu a responsabilidade civil (passível de indenização) do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, chefe dos serviços de Inteligência e repressão do Exército de 1970 a 1974, em casos de sequestros e torturas. Mas negou a responsabilidade penal em nome da lei de anistia.

Ustra, falecido em 2015, foi chamado de "herói nacional" por Bolsonaro, que tanto antes quanto depois de sua chegada ao poder justificou o regime militar em nome da luta contra o comunismo. Nas últimas semanas, negou a veracidade de relatórios oficiais sobre torturas, mortes e desaparecimentos naquela época.

Mortes e desaparecimentos

Segundo um informe de 2014 da Comissão Nacional da Verdade (uma organização oficial), a ditadura foi responsável por 434 mortes e desaparecimentos e de centenas de casos de prisões arbitrárias e torturas. Este balanço não inclui as muitas mortes de indígenas e camponeses, resultantes de disputas por terras.

Diferentemente de seus vizinhos, o Brasil não levou ao banco dos réus os agentes do Estado acusados de cometer crimes durante as ditaduras dos anos 70 e 80, invocando justamente a Lei da Anistia de 1979.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM