Jornal do Commercio
Notícia
REMUNERAÇÃO

Procurador reclama de salário: 'Como é que o cara vai viver com R$ 24 mil?'

Em áudio, um procurador de Minas Gerais diz que está baixando padrão de vida. 'Vamos virar pedintes?'

Publicado em 10/09/2019, às 11h11

A declaração foi feita durante uma reunião em agosto para discussão do orçamento de 2020 do Ministério Público de Minas Gerais / Foto: Reprodução/Google Street View
A declaração foi feita durante uma reunião em agosto para discussão do orçamento de 2020 do Ministério Público de Minas Gerais
Foto: Reprodução/Google Street View
Do Correio para a Rede Nordeste

"Como é que o cara vai viver com R$ 24 mil?". Esse questionamento inusitado partiu do procurador Leonardo Azeredo dos Santos, durante uma reunião em agosto para discussão do orçamento de 2020 do Ministério Público de Minas Gerais. Um rádio divulgou nesta segunda-feira (9) um áudio do procurador reclamando do "miserê" que recebe.

Leonardo quer saber se os salários vão aumentar no ano que vem. "O que de fato nós vamos fazer para melhorar a nossa remuneração? Ou nós vamos ficar quietos?", questiona, depois do procurador-geral de Justiça de Minas, Antônio Sérgio Tonet, informar que se o Estado assinar o acordo de recuperação fiscal com o governo federal não deve haver reajuste para o MP-MG.

O procurador afirma que já está com padrão de vida mais baixo por causa do salário que recebe. 

O Portal da Transparência mostra que Leonardo recebe um valor bruto de R$ 35.462,22 - com descontos, o valor vai para cerca de R$ 24 mil. De janeiro a julho, indenizações e outros rendimentos na folha somam valores que passam dos R$ 20 mil, contudo. Em junho, ele teve valor líquido de R$ 50.104,64 de salário por conta de uma indenização e outras verbas acrescidas.



“Dentro do orçamento, não há nenhuma perspectiva, nenhum sonho, de incrementar qualquer tipo de vantagem que aumente nossa remuneração? Ou plantão? Ou qualquer coisa que aumente remuneração?”, quer saber Leonardo durante a reunião.

O que dizem os envolvidos

O procurador não se manifestou sobre o áudio. Já o Ministério Público de Minas Gerais divulgou nota afirmando que não há nenhum projeto em andamento sobre adoção de benefícios pecuniários para a carreira de procuradores e promotores de Justiça por conta da crise financeira que vive o Estado. O MP ainda informou que vem tomando todas as medidas cabíveis para reduzir gastos, especialmente com folha de pessoal, visando mantê-los dentro do limite legal de 2% da Receita Corrente Líquida.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM