Jornal do Commercio
Notícia
CONTAMINAÇÃO

Saiba o que é o dietilenoglicol, substância encontrada em cerveja que contaminou oito pessoas em BH

A substância teria sido encontrada em dois lotes da marca de cerveja Belorizontina

Publicado em 10/01/2020, às 17h10

O caso envolvendo o grupo contaminado e a cerveja Belorizontina ainda está sob investigação da Polícia Civil de Minas Gerais.  / Foto: Pixabay
O caso envolvendo o grupo contaminado e a cerveja Belorizontina ainda está sob investigação da Polícia Civil de Minas Gerais.
Foto: Pixabay
JC Online

Um composto químico chamado dietilenoglicol (DEG) é o responsável por contaminar oito pessoas em Minas Gerais, causando a morte de uma delas e mantendo as outras sete internadas. A substância teria sido encontrada em dois lotes da cerveja Belorizontina, da cervejaria Backer, que as pessoas teriam consumido. De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o DEG é um solvente orgânico, altamente tóxico, que causa insuficiência renal e hepática, podendo inclusive levar a óbito quando ingerido. 

A substância é utilizada pela indústria cervejeira como substância anticongelante. De acordo com Patrícia Sanches, cervejeira, sócia-proprietária e responsável técnica na Cervejaria Patt Lou e no Instituto Ceres de Educação Cervejeira, a exposição do consumidor final a este composto químico é extremamente limitada. “Essa substância passa por tubulação externa e acessa o equipamento por fora do recipiente que está a cerveja. A ideia é resfriar o equipamento para que ele, por indução, esfrie o líquido interno, uma vez que os tanques cervejeiros são de inox, em sua grande maioria, e transferem a temperatura mais facilmente”, explicou. 

Ainda de acordo com Patrícia Sanches, o dietilenoglicol é uma substância cara para a maioria das realidades de nano e microcervejarias artesanais. “A indústria cervejeira, em sua maioria, faz uso de tanques com refrigeração externa (por solução hidroalcoólica). A substância refrigerante, neste caso seria uma mistura de amônia e etanol diluída em água. Outra opção são tanques autorefrigerados (ou seja, os que fazem uso de gás refrigerante e um compressor, que são ligados na eletricidade)”, disse. 



O caso envolvendo o grupo contaminado e a cerveja Belorizontina ainda está sob investigação da Polícia Civil de Minas Gerais. Patrícia reforça que é necessário esperar o laudo definitivo e a conclusão da investigação e destaca que, em Pernambuco, as cervejarias não utilizam esta substância.”Desconheço alguma cervejaria pernambucana que utilize o dietilenoglicol em seus bancos refrigerantes; como falei, por aqui, usamos o etanol como alternativa”, destacou. 

Anticongelante externo 

Tanto o etanol quanto o dietilenoglicol são utilizados de forma externa, sem contato com a cerveja. Esse processo não é uma opção para adicionar álcool na cerveja. De acordo com o Ministério da Agricultura, o álcool cervejeiro deve ser oriundo de fermentação natural de leveduras do tipo Saccharomyces cerevisiae. 

“A nossa legislação é bastante rigorosa no tocante a insumos cervejeiros. Em casos de adição externos de álcool, a cerveja deixa de ser chamada de cerveja e passa a ser apresentada como bebida mista e comumente são utilizadas cachaças, álcool de cereais, uísques, vodkas, vinho; ou seja, álcoois de uso corriqueiro para trazer complexidade organoléptica às bebidas”, esclareceu Patrícia Sanches.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM