Jornal do Commercio
Notícia
MORTE

Jornalista que denunciava ação de facções é executado na fronteira com o Paraguai

No mês passado, Veras noticiou com destaque a fuga de presos do PCC em Pedro Juan Caballero e acompanhou a caçada aos fugitivos pelas polícias dos dois países

Publicado em 13/02/2020, às 15h16

Nascido no Paraguai, Léo Veras também tinha nacionalidade brasileira / Foto: Porã News/Reprodução
Nascido no Paraguai, Léo Veras também tinha nacionalidade brasileira
Foto: Porã News/Reprodução
Estadão Conteúdo

Conhecido por denunciar crimes na fronteira entre Brasil e Paraguai, o jornalista Léo Veras foi executado com ao menos 12 tiros de pistola, na noite desta quarta-feira, 12, na cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero, na divisa com Ponta Porã (MS) Segundo o secretário de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul, Antonio Carlos Videira, a vítima já havia recebido ameaças por criticar ações de narcotraficantes na região, principalmente do Primeiro Comando da Capital (PCC).

>>> Mais de 70 integrantes do PCC fogem de prisão no Paraguai

>>> Após fuga de membros do PCC no Paraguai, Jungmann defende 'segurança única' na América do Sul

Mais conhecido como Léo Veras, Lourenço Veras era dono do site Porã News, especializado em notícias policiais, editado em português e espanhol. Nascido no Paraguai, ele também tinha nacionalidade brasileira. A investigação do crime é feita pelas polícias dos dois países.

O jornalista jantava com a família no quintal de sua casa, quando três homens encapuzados desceram de um Jeep Cherokee de cor branca e fizeram os disparos. Veras tentou fugir, mas recebeu tiros de pistola calibre 9 mm nas costas e na cabeça. Ele foi levado a um hospital de Pedro Juan, mas já chegou ao local sem vida.

De acordo com o secretário Antonio Carlos Videira, Veras era alvo de ameaças. "Ele era contundente em críticas à ação do narcotráfico na região da fronteira e vinha recebendo ameaças", diz. "Recentemente ele foi entrevistado em reportagem de alcance nacional denunciando as facções que agem na fronteira, especialmente o PCC (facção paulista Primeiro Comando da Capital). Por conta disso, sua relação com as autoridades e forças policiais era muito boa, mas certamente desagradava o crime."

No mês passado, Veras noticiou com destaque a fuga de presos do PCC em Pedro Juan Caballero e acompanhou a caçada aos fugitivos pelas polícias dos dois países. O secretário disse ter conversado com autoridades paraguaias e definido linhas de ações conjuntas para investigar a execução.

"Estamos em busca da origem das ameaças contra ele e de pistas. Se veículo que eles usaram, uma Cherokee branca, veio para o lado brasileiro da fronteira, nós vamos encontrar."

Na noite do crime, a polícia recolheu o celular e o computador do jornalista na tentativa de identificar a origem das ameaças. Imagens de câmeras instaladas na região também foram requisitadas para análise.

De acordo com o promotor de Pedro Juan, Marco Amarila, que está à frente da investigação, a esposa de Veras contou que ele estava muito apreensivo e denotava temor de ser assassinado. Ela não soube dizer, no entanto, de onde partiriam as ameaças, mas repassou à investigação algumas características dos assassinos.

Vídeo

Em 2013, a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) chegou a divulgar denúncia sobre as ameaças recebidas por Léo Veras, em razão do seu trabalho jornalístico na região da fronteira e das denúncias de execuções motivadas pelo narcotráfico. Na ocasião, Veras disse que não se intimidaria com as ameaças e continuaria seu trabalho.



O próprio jornalista havia feito um vídeo em que parecia prever a própria morte. "Eu sempre peço que não seja tão violenta minha morte, que não seja com tantos disparos de fuzil, porque aqui se um pistoleiro quer te matar, ele vem na sua porta manda você abrir e vai te dar um disparo. Espero que seja só um disparo, porque não vai estragar tanto a sua pele", disse, encerrando com um rápido riso. O vídeo foi postado, agora, em sites de jornais da região.

Notas de repúdio

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais da Região da Grande Dourados (Sinjorgran) emitiu nota lamentando e repudiando o atentado. "A diretoria do Sinjorgran ressalta que esse golpe brutal atingiu também todos os profissionais da comunicação que atuam na fronteira Brasil-Paraguai, escancarando mais uma vez a insegurança vivida por quem pratica o jornalismo na região."

"Nada justifica a violência contra jornalista e é de sua importância que esse crime seja solucionado o mais rápido possível pelas autoridades paraguaias, já que a impunidade é mais uma forma de ferir o livre exercício da comunicação", diz o comunicado.

A nota lembra que o jornalista Paulo Rocaro foi assassinado em 13 de fevereiro de 2012, exatamente há oito anos. Segundo a investigação feita pela polícia brasileira na época, ele teria sido vítima de um crime político.

"Agora no velório de Léo Veras estarão praticamente os mesmos colegas que sepultaram o corpo de Paulo Rocaro. Por isso, o Sindicato cobra segurança e justiça e afirma sua solidariedade aos familiares de Léo Veras e a todos os comunicadores de Pedro Juan Caballero e Ponta Porã."

O Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso do Sul (Sindjor-MS) lamentou em nota a morte do profissional e se solidarizou com a família, amigos e colegas. "Profissional reconhecido por seus pares e pela sociedade, Veras já havia relatado ameaças de morte recebidas por seu trabalho de investigação e denúncia do tráfico Recentemente, deu depoimento a matéria especial da emissora Record sobre a violência na fronteira."

"Mais uma vítima dos ataques contra trabalhadores da comunicação, nestes tristes tempos de cerceamento da liberdade de expressão, Léo Veras merece mais que condolências", diz o comunicado. "O Sindjor-MS, que representa os e as jornalistas profissionais deste estado, exige severa investigação por parte das autoridades sul-mato-grossenses e brasileiras, para que seja punido esse atentado à vida e à democracia.

Em nota conjunta, a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), a Associação Nacional de Editores de Revistas (Aner) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ) também lamentaram a morte do jornalista e ressaltaram o trabalho investigativo feito por ele.

"Os assassinatos de comunicadores têm por objetivo intimidar o livre exercício do jornalismo e impedir o direito dos cidadãos de serem plenamente informados. A apuração criteriosa e rápida da morte de Léo Veras, assim como dos demais homicídios de jornalistas, é fundamental para combater a impunidade, principal causa da continuidade desse tipo de crime", diz o comunicado.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM