Jornal do Commercio
Polêmica

Chile critica terapias de 'cura gay'

Nota divulgada foi uma resposta ao pedido do Movimento de Integração e Liberação Homossexual (Movilh), que solicitou ao ministério da Saúde que desse sua opinião sobre estas práticas

Publicado em 18/02/2016, às 22h24

Terapias foram qualificadas como ''grave ameaça para a saúde'' / Foto: Marcello Camargo /Arquivo /Agência Brasil
Terapias foram qualificadas como ''grave ameaça para a saúde''
Foto: Marcello Camargo /Arquivo /Agência Brasil
Da AFP

O ministério da Saúde do Chile manifestou nesta quinta-feira (18) sua crítica às chamadas terapias de reorientação de homossexualidade que supostamente buscam "curar" a condição de pessoas homossexuais e as qualificou de "grave ameaça para a saúde".

"Como ministério da Saúde, consideramos que as práticas conhecidas como 'terapias reparativas' ou de 'reconversão' da homossexualidade, representam uma grave ameaça para a saúde e o bem estar, inclusive a vida, das pessoas afetadas", informou um comunicado do ministério. A nota foi uma resposta ao pedido do Movimento de Integração e Liberação Homossexual (Movilh), que solicitou ao ministério da Saúde que desse sua opinião sobre estas práticas. 

A carta do ministério chileno retoma "as declarações da Organização Pan-americana de Saúde (OPAS) e de diversas instâncias defensoras de Direitos Humanos", das quais faz parte esta repartição do estado.  "Com esta declaração, o ministério se atualizou em matéria de direitos humanos", manifestou o Movilh. Tais terapias usam métodos para conseguir mudar a orientação sexual de pessoas homossexuais ou bissexuais, e no Chile são promovidas por organismos não-governamentais. 



Em outubro passado entrou em vigor no país o Acordo de União Civil (AUC), uma medida para legalizar a situação dos casais de igual ou diferente orientação sexual. No entanto, o casamento entre pessoas do mesmo sexo ainda não é permitido. 

O Chile é um país onde a Igreja Católica ainda tem uma grande influência, onde o divórcio só foi estabelecido em 2004. A sodomia só foi descriminalizada há 15 anos e o aborto ainda não é permitido em nenhum caso, embora se discuta no Parlamento uma iniciativa para descriminalizar o aborto em casos de risco de vida para a mãe, feto não viável ou estupro.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM