Jornal do Commercio
DROGAS

Drogas, mercado anual de 24 bilhões de euros é "articulado com o terrorismo", segundo relatório

Um documento afirma que o mercado das drogas é uma das principais ameaças para segurança da UE

Publicado em 05/04/2016, às 13h13

A maconha é a droga mais consumida na UE, vinte e dois milhões de europeus usaram a droga no último ano / Foto: AFP
A maconha é a droga mais consumida na UE, vinte e dois milhões de europeus usaram a droga no último ano
Foto: AFP
Da AFP

O mercado das drogas, no qual os cidadãos da União Europeia) gastam mais de 24 bilhões de euros por ano, é uma das principais ameaças para a segurança na Europa, destaca o relatório 2016 do Observatório Europeu de Drogas e Toxicomanias (OEDT) e da Europol.

O relatório, que consiste numa análise estratégica para facilitar as políticas dos países da União Europeia, foi apresentado em Bruxelas pelo comissário europeu de Assuntos Internos, Dimitris Avramopoulos, o diretor do OEDT, Alexis Goosdeel, e o diretor da Europol, Rob Wainwright.

De acordo com o documento, os mercados das drogas continuam sendo um dos domínios mais rentáveis para os grupos do crime organizado (GCO) e, segundo nossas estimativas, os cidadãos da UE gastam, a cada ano, mais de 24 bilhões de euros (entre 21 e 31 bilhões) em drogas ilícitas.

"O negócio das drogas ilícitas é muito importante, realmente muito importante. O mercado da droga é como potes de mel para as organizações criminosas", disse o comissário Avramopoulos. "As drogas prejudicam nossas comunidades, nossa saúde, conduzem a crimes violentos, corrompem funcionários, destroem a economia", completou.

Para Alexis Goosdeel e Rob Wainwright, a situação das drogas é uma ameaça à segurança europeia. "Não há nenhuma dúvida de que os mercados das drogas ilícitas continuam sendo uma das principais ameaças para a segurança da UE", afirmam na introdução do relatório.

Os autores do documento ainda afirmam que o impacto negativo dos mercados das drogas na sociedade vai cada vez mais além dos danos causados pelo consumo de drogas, e que estes se articulam ''com outras formas de criminalidade e com o terrorismo''.

O relatório ressalta que muitas "pessoas envolvidas em atividades terroristas, geralmente jovens recentemente radicalizados, têm um passado como pequenos delinquentes, em particular com o consumo e a venda de drogas, e exploram de diversas maneiras suas conexões com o meio criminoso para as atividades terroristas". 

Segundo o documento, influência dos mercados da droga também é exercida na economia (lavagem de dinheiro), meio ambiente (dejetos de produtos químicos utilizados para produzir drogas) e nas instituições governamentais, com os orçamentos e o risco de corrupção de funcionários.



O relatório também cita as crescentes interconexões entre grupos criminosos, assim como o impacto do tráfico de drogas na internet, que fornece "pontos de venda abertos e outros ocultos".

Em 2013, o mercado da maconha representava aproximadamente 38% do total dos mercados das drogas, à frente da heroína (28%), cocaína (24%), anfetaminas (8%) e do ecstasy (3%).

A maconha é, de longe, a droga mais consumida na UE e quase 1% dos adultos europeus a utilizam diariamente ou quase diariamente. Vinte e dois milhões de europeus consumiram a droga no último ano.

Os preços permaneceram estáveis (de 7 a 12 euros), mas o teor médio de tetra-hidrocannabinol (THC) praticamente dobrou em 10 anos, provavelmente pelo desenvolvimento de "técnicas de produção intensivas e sofisticadas" na Europa, imitada pelos produtores marroquinos.

No mercado da heroína, que tem como protagonistas grupos criminosos turcos, albaneses e paquistaneses, depois de vários anos de queda nas apreensões, o relatório aponta que desde 2013 é registrado um "inquietante avanço da oferta", acompanhado de uma redução do preço e de maior pureza, com 1,3 milhão de usuários estimados.

A importação de cocaína na Europa (3,6 milhões de usuários) continua controlada por grupos criminosos colombianos e italianos, com o desenvolvimento de grupos nigerianos e dos Bálcãs.

"Assistimos a um recrutamento sistemático de funcionários corruptos nos principais portos e aeroportos da UE e dos países de procedência", afirma o relatório.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM