Jornal do Commercio
RELIGIÃO

Igreja católica proíbe guardar ou espalhar cinzas de mortos

Segundo as normas, as cinzas devem ser mantidas em um cemitério ou em um local sagrado

Publicado em 25/10/2016, às 14h10

A norma foi anunciada peloVaticano pelo cardeal alemão Gerhard Ludwig Müller / Foto: ALBERTO PIZZOLI / AFP
A norma foi anunciada peloVaticano pelo cardeal alemão Gerhard Ludwig Müller
Foto: ALBERTO PIZZOLI / AFP
AFP

A igreja católica divulgou nesta terça-feira (25) as novas diretrizes para a sepultura dos mortos e a conservação das cinzas daqueles que são cremados, através das quais proíbe espalhá-las ou mantê-las em casa.

Segundo as normas, ilustradas no Vaticano pelo cardeal alemão Gerhard Ludwig Müller, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, as cinzas devem ser mantidas em um cemitério ou em um local sagrado.

"Não está permitida a conservação das cinzas no lar" nem "a dispersão das cinzas no ar, na terra ou na água", ou sua conversão como lembranças, segundo as novas disposições.

"Evita-se o risco de que os mortos sejam esquecidos por suas famílias e pela comunidade cristã", explicou à imprensa o cardeal alemão, cujo cargo costuma ser chamado de "guardião da fé".

"Também são evitados possíveis descuidos e falta de respeito por parte das gerações sucessivas", disse Müller.

2 de novembro

Poucos dias antes da celebração do dia dos mortos, em 2 de novembro, a hierarquia da igreja católica lembra a importância que a morte e a ressurreição têm para os católicos.

Também lembra que desde 1963 é permitida a cremação, uma prática que, reconhece, "se difundiu notavelmente em muitos países, mas que também esteve acompanhada pela propagação de ideias que estão em desacordo com a fé", disse.



Em casos "excepcionais e graves", os bispos locais podem conceder a permissão de conservar as cinzas em casa, como é o caso das zonas de guerra, onde a sepultura é dificultada.

A igreja católica proíbe claramente e de forma categórica que as cinzas se convertam "em recordações, joias e outros objetos", assim como a distribuição das cinzas de um falecido entre os diferentes parentes, uma recomendação que se aplica de forma retroativa às relíquias dos santos.

O texto do Vaticano reitera a posição tradicional da Igreja, que recomenda que os corpos dos falecidos sejam enterrados em cemitérios ou santuários.

Com isso é encorajada a memória e a oração por parte da família e de toda a comunidade cristã, lembra o texto.

"Caso o falecido tenha decidido pela cremação e dispersão de suas cinzas na natureza por razões contrárias à fé cristã, seu funeral deve ser negado, de acordo com a norma do direito", adverte o documento.

Portanto, as pessoas que desejarem que suas cinzas sejam espalhadas não poderão ter funerais católicos, segundo a decisão aprovada pelo papa Francisco em março deste ano e divulgada sete meses depois.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM