Jornal do Commercio
Presidente da Rússia

Putin quer reforçar a capacidade nuclear da Rússia

O chefe de Estado fez a declaração após um ano em que sua aviação foi fundamental para facilitar os avanços do regime de Bashar al-Assad na Síria

Publicado em 22/12/2016, às 12h01

"É necessário reforçar a capacidade militar das forças nucleares estratégicas", disse Putin
Foto: ALEKSEY NIKOLSKYI / SPUTNIK / AFP
AFP

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou nesta quinta-feira (22) as prioridades do exército para 2017, ressaltando a necessidade de aumentar a capacidade nuclear do país e a vigilância das fronteiras. 

"É necessário reforçar a capacidade militar das forças nucleares estratégicas, sobretudo com a ajuda de sistemas de mísseis capazes de atravessar sistemas de defesa antimísseis existentes ou futuros", declarou Putin durante uma reunião com comandantes do exército russo. 

O chefe de Estado fez a declaração após um ano em que sua aviação foi fundamental para facilitar os avanços do regime de Bashar al-Assad na Síria, e a poucas semanas da posse de Donald Trump nos Estados Unidos. 

Moscou aguarda a posse de Trump em 20 de janeiro para reduzir a tensão que manteve com a administração de Barack Obama nos últimos dois anos, consequência dos conflitos da Ucrânia e Síria. 

A Rússia demonstra preocupação com a instalação na Romênia e na Polônia de elementos do escudo antimísseis americano, que Moscou denuncia como uma tentativa de reduzir sua capacidade de dissuasão nuclear. 

As acusações são desmentidas por Washington, que afirma que o escudo pretende proteger a Europa de uma possível ameaça iraniana. 

Aumento do arsenal nuclear russo

O aumento do arsenal nuclear russo não é uma novidade. Putin já havia anunciado em junho de 2015 a implantação de mais de 40 novos mísseis balísticos intercontinentais, com capacidade para "atravessar os sistemas de defesa antiaérea mais sofisticados", depois que Washington anunciou o plano de instalar armamento pesado no leste da Europa. 

Washington alega que deseja tranquilizar os países bálticos e outros Estados do leste da Europa, muito preocupados com as intenções de Moscou desde a anexação da Crimeia em 2014. 



Mas o aumento da presença da Otan em suas fronteiras é encarado como uma ameaça pela Rússia. 

Putin acusou em junho a Otan de desejar levar o país a uma "frenética" corrida armamentista e de romper "o equilíbrio militar" em vigor na Europa desde a queda da da URSS. 

- 'Mais poderosos' -

No fim de 2014, a nova doutrina militar russa, cujo gasto militar alcança atualmente 21% de seu orçamento - que mesmo assim continua muito inferior ao dos Estados Unidos -, já apontava a expansão da Otan como uma grande ameaça para a segurança do país.

"Temos que prestar atenção a qualquer mudança no equilíbrio de forças e da situação politico-militar no mundo e, sobretudo, nas fronteiras russas. E corrigir a tempo nossos planos para eliminar as possíveis ameaças contra nosso país", disse Putin. 

O país organizou uma cara modernização das Forças Armados nos últimos anos, com o envio de tropas adicionais ao extremo oeste da Rússia, diante das instalações militares europeia da Otan. 

A doutrina militar do Kremlin mão menciona, no entanto, a possibilidade de um "ataque preventivo" com o uso de mísseis nucleares. Moscou se reserva o direito de utilizar seu arsenal em caso de agressão contra o país ou seus aliados ou no caso de "ameaça contra a existência do Estado" russo.

O presidente considera que a Rússia já levou adiante "60%" da modernização de suas forças nucleares, compostas por bombardeiros estratégicos, mísseis balísticos intercontinentais e submarinos nucleares. 

"Hoje em dia somos mais poderosos que qualquer agressor potencial", declarou Putin. "Mas se oferecermos apenas um respiro, (...) a situação pode mudar rapidamente". 

O conflito sírio deu ao exército russo a oportunidade de testar suas armas em situação real, sejam mísseis de cruzeiro lançados por submarinos, mísseis estratégicos de longo alcance disparados do solo russo ou do porta-aviões "Almirante Kuznetsov". 





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM