Jornal do Commercio
Entrevista com terroristas

Humorista francês quer entrevistar terrorista dos atentados de Paris

O humorista Dieudonné escreveu uma carta a Salah Abdeslam, membro detido dos comandos jihadistas que mataram 130 pessoas em Paris em novembro de 2015

Publicado em 16/01/2018, às 19h39

Salah Abdeslam é o único membro vivo dos comandos que mataram 130 pessoas em Paris e sua periferia / Foto: AFP
Salah Abdeslam é o único membro vivo dos comandos que mataram 130 pessoas em Paris e sua periferia
Foto: AFP
AFP

O humorista Dieudonné gerou polêmica na França ao escrever uma carta a Salah Abdeslam, membro detido dos comandos jihadistas que mataram 130 pessoas em Paris em novembro de 2015, na qual pede para conhecê-lo para "compreender sua profunda raiva".

O juiz de instrução encarregado do caso sobre os atentados de 13 de novembro obteve uma cópia da carta e se opôs ao encontro, segundo um dos advogados das vítimas.

Salah Abdeslam é o único membro vivo dos comandos que mataram 130 pessoas em Paris e sua periferia. Está detido em isolamento em uma prisão nos arredores da capital francesa há quase dois anos.

"Esta carta não foi entregue a Salah Abdeslam", destacou a Direção da Administração Penitenciária.

Projeto

Segundo o jornal Le Parisien, Dieudonné M'Bala M'Bala deseja conversar com o prisioneiro mais vigiado da França como parte do projeto de seu livro intitulado "Como deter os atentados na França"?



"Não queremos falar dos atos que lhe atribuem, o que me interessa é compreender seu estado mental e as razões que o levaram a agir", escreve o polêmico humorista, segundo o jornal. "Ao falar com você, esperamos compreender melhor a profunda raiva que lhe habita e que a sociedade não escuta".

"Isto é uma desculpa para responsabilizar a sociedade pelos atentados terroristas", declarou à AFP Gérard Chemla, advogado da parte civil.

Dieudonné é conhecido na França por seus espetáculos com comentários antissemitas, o que já lhe rendeu vários processos na justiça.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM