Jornal do Commercio
CATALUNHA

Puigdemont é oficializado candidato à presidência da Catalunha

O presidente separatista da Câmara regional classificou como 'legitima' a candidatura de Puigdemont

Publicado em 22/01/2018, às 14h37

Carles Puigdemont está na Bélgica desde 30 de outubro. Se retornar à Espanha, será imediatamente detido - como seu ex-vice-presidente - acusado de
Carles Puigdemont está na Bélgica desde 30 de outubro. Se retornar à Espanha, será imediatamente detido - como seu ex-vice-presidente - acusado de "rebelião" e de "sedição"
Foto: AFP
AFP

A candidatura do separatista Carles Puigdemont à presidência da Catalunha é agora oficial, validada nesta segunda-feira (22) pelo chefe do parlamento regional, apesar dos inúmeros obstáculos jurídicos e logísticos, e da oposição de Madri.

Menos de três meses após a tentativa de separação da Catalunha em 27 de outubro, impulsionada pelo presidente destituído, a candidatura de Carles Puigdemont foi confirmada pelo presidente separatista da Câmara regional, Roger Torrent.

Em um breve discurso, ele estimou a candidatura "absolutamente legítima, apesar da situação pessoal e judicial de Puigdemont".

Carles Puigdemont está na Bélgica desde 30 de outubro. Se retornar à Espanha, será imediatamente detido - como seu ex-vice-presidente - acusado de "rebelião" e de "sedição".

Viagem à Dinamarca

Até o final do mês, o parlamento catalão dominado pelos separatistas organizará, em princípio, uma sessão de posse, durante a qual irá debater sua candidatura a distância.

O anúncio ocorreu no momento em que Carles Puigdemont deixou a Bélgica pela primeira vez nesta segunda-feira para participar de uma conferência em Copenhague sobre a Catalunha e a Europa.

Em um debate na universidade de Copenhague, o líder separatista pediu que a União Europeia reconheça o direito de auto-determinação da Catalunha e se manteve firme em seus planos de restabelecer seu "governo legítimo".

"Não vamos capitular frente ao autoritarismo, apesar das ameaças de Madri. Logo formaremos um novo governo", ressaltou Puigdemont.

A Procuradoria espanhola solicitou imediatamente a ativação de um mandado de prisão europeu para solicitar sua prisão à autoridade judiciária dinamarquesa.

O juiz espanhol encarregado da investigação sobre o separatista catalão rejeitou este pedido, porém, considerando que este deslocamento buscava precisamente "provocar esta prisão no exterior". De acordo com o juiz Pablo Llarena, o movimento seria parte de uma estratégia, visando a reunir argumentos para ser empossado como presidente da Catalunha apesar de sua ausência.

Na Bélgica, Puigdemont não é processado pela Justiça espanhola, para evitar diferenças de interpretação entre os juízes belgas e espanhóis sobre a gravidade das infrações de que é acusado, incluindo a controversa "rebelião".



Reeleito deputado regional em 21 de dezembro, Puigdemont é o único candidato à Presidência do governo catalão.

Os dois principais grupos separatistas, que juntos têm 66 votos de 135, apoiam sua candidatura.

Quebra-cabeça

Se o presidente destituído por Madri permanecer no exterior, deverá tomar posse a distância, o que os serviços jurídicos do parlamento catalão já consideraram contrário às regras da instituição.

E, se retornar, a Procuradoria da Espanha advertiu que sua imunidade parlamentar não impedirá sua prisão.

No caso de os separatistas conseguirem elegê-lo em sua ausência, o governo central e a oposição farão tudo para bloquear seu mandato, acionando a Justiça.

Eventualmente, o Tribunal Constitucional poderá suspender o voto no Parlamento regional em favor de sua candidatura, ou mesmo a resolução parlamentar que o nomeia.

"Permitir que alguém tome posse, ou pretenda ser o presidente do governo catalão estando em Bruxelas é ilegal", advertiu o chefe do governo espanhol, o conservador Mariano Rajoy, no sábado (20).

Se for esse o caso, o artigo 155 (da Constituição) continuaria a ser aplicado, concluiu Rajoy, explicando que não daria à região a autonomia retirada após a tentativa de secessão.

Se Torrent não tivesse aceitado a candidatura de Puigdemont, poderia ter causado uma crise no campo separatista, entre o partido Juntos pela Catalunha (centro-direita) de Puigdemont e a outra grande sigla separatista, a sua Esquerda Republicana da Catalunha (ERC).

Se a escolha de Puigdemont for anulada pelo Tribunal Constitucional, nada impedirá o chefe do Parlamento da Catalunha de apresentar uma alternativa.

Não havendo outro candidato, porém, a região deverá realizar novas eleições que podem não favorecer os separatistas.

"Devemos medir os custos e os benefícios de todas as decisões", estimou no sábado Ernest Maragall, da ERC.

Além disso, um retorno surpresa de Puigdemont à Espanha não é completamente excluído, mesmo que certamente seja preso, afirmou no sábado (20) seu advogado na Espanha.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM