Jornal do Commercio
ELEIÇÕES

Governo da Venezuela antecipa presidenciais para antes de 30 de abril

As eleições presidenciais da Venezuela estavam previstas para o fim do ano

Publicado em 23/01/2018, às 15h50

Nicolás Maduro será o candidato do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV, situação) / Foto: FEDERICO PARRA / AFP
Nicolás Maduro será o candidato do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV, situação)
Foto: FEDERICO PARRA / AFP
AFP

A Assembleia Nacional Constituinte, que dirige a Venezuela com poder absoluto, anunciou nesta terça-feira (23) a realização antes do dia 30 de abril das eleições presidenciais, em que o presidente Nicolás Maduro tentará a reeleição.

A Constituinte "acorda convocar para o primeiro semestre do ano de 2018 o processo eleitoral (...) Antes de 30 abril deverá haver eleições na Venezuela para escolher o presidente da República", anunciou o número dois do chavismo, Diosdado Cabello, ao ler o decreto aprovado de forma unânime.

As eleições presidenciais estavam previstas para o fim do ano, mas analistas e opositores advertiam que o governo as adiantaria para aproveitar a crise de credibilidade e divisões sofridas pela oposição Mesa da Unidade Democrática (MUD).

Cabello confirmou que Maduro será o candidato do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV, situação). "Nós não vamos ter problemas, temos apenas um candidato para continuar com a revolução", manifestou, enquanto o plenário cantava: "Nicolás, Nicolás".

"Nós vamos vencer unidos", acrescentou o dirigente, que assegurou que será o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) - acusado pela oposição de servir ao governo - que fixará a data exata das eleições.



O legislador fundamentou a proposta de adiantamento do processo eleitoral como resposta às sanções impostas contra a Venezuela e vários de seus funcionários por parte dos Estados Unidos e da União Europeia, segundo ele com o objetivo de "buscar a mudança de governo".

"Se o mundo quer aplicar sanções, nós aplicaremos eleições (...) Poderes imperiais e poderes fáticos desataram uma campanha sistemática e de ódio contra a Venezuela", acrescentou o influente dirigente chavista da tribuna do hemiciclo parlamentar.

Na segunda-feira (22), a União Europeia aprovou sanções contra sete funcionários venezuelanos de alto escalão, entre eles Cabello, o que o governo venezuelano qualificou de um "golpe ao diálogo" que manteve desde 1º de dezembro com a MUD na República Dominicana.

Ao justificar sua proposta, Cabello também argumentou que a oposição se retirou do diálogo com "desculpas fúteis", se referindo à ausência da MUD na quarta rodada que estava prevista para quinta-feira passada, e à qual faltou assinalando que chanceleres facilitares não iriam comparecer.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada
Cantos e Recantos Cantos e Recantos
A temporada de sol está nos espreitando, e a Praia de Boa Viagem é sempre uma opção de passeio. Mas que tal ousar um pouquinho na quilometragem e desbravar outros destinos? Pernambuco tem muitos lugares fantásticos e você vai adorar o roteiro que o JC fe

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM