Jornal do Commercio
Reformas

Milhares de pessoas protestam na França contra propostas de Macron

Franceses protestam na capital e no interior contra reforma trabalhista instaurada por Emmanuel Macron e a política de austeridade adotada em seu governo

Publicado em 05/05/2018, às 18h54

Manifestantes denunciam o que apontam ser o fim do estado social e dos serviços públicos na França /  AFP
Manifestantes denunciam o que apontam ser o fim do estado social e dos serviços públicos na França
AFP
Agência Brasil

Um ano após a eleição de Emmanuel Macron à Presidência da França, milhares de franceses saíram às ruas de Paris para protestar neste sábado (5) contra as reformas propostas pelo presidente. De acordo com o movimento França Insubmissa, que convocou o protesto, são 160 mil pessoas na região próximo à histórica Praça da Bastilha. Já o jornal Le Monde contabiliza 40 mil manifestantes. O protesto traz como mote a frase irônica “Festa para Macron”.

Os manifestantes denunciam o que apontam ser o fim do estado social e dos serviços públicos. Desde que assumiu, Macron adotou políticas de austeridade e reformas. Apesar da reação contrária de muitas organizações, adotou uma reforma trabalhista, em setembro do ano passado, que modificou leis para dar maior flexibilidade às empresas na contratação de trabalhadores. Na sequência, empresas públicas – como a companhia ferroviária SNCF – demitiram trabalhadores, por isso muitos manifestantes enfatizam a defesa do serviço público.

Nas redes sociais, vídeos e fotos mostram cartazes que estampam frases como “Pare Macron”. Um manifesto assinado por dirigentes de diversos sindicatos e de centrais como a Confederação Geral do Trabalho (CGT) afirma: “Dizemos para parar com todas essas formas de desprezo que apenas alimentam o ódio e o individualismo em nossa sociedade. Viver juntos e compartilhar a riqueza, seja econômica ou cultural, é um projeto que o mundo do trabalho tem o dever de carregar.”



Mulheres também divulgaram manifesto aderindo à “Festa para Macron”. Elas denunciam a precarização do trabalho feminino e cortes no orçamento de políticas públicas voltadas à promoção dos direitos das mulheres. O manifesto cobra a concretização de políticas públicas para a igualdade.

Além de Paris, houve atos em outras cidades francesas, como Toulouse, Bordéus, Lyon, Estrasburgo e Rennes. O presidente Emmanuel Macron ainda não se pronunciou sobre os atos de hoje. Em outras ocasiões, tem manifestado que a implementação de reformas concretiza o programa apresentado na campanha eleitoral.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por ronaldo,06/05/2018

A velha e repugnante direita é mesmo uma peste que tenta dizimar os mais humildes e glorificar os GRANDES LADRAVAZES. "TÊM MESMO QUE SER PARADOS".



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada
Cantos e Recantos Cantos e Recantos
A temporada de sol está nos espreitando, e a Praia de Boa Viagem é sempre uma opção de passeio. Mas que tal ousar um pouquinho na quilometragem e desbravar outros destinos? Pernambuco tem muitos lugares fantásticos e você vai adorar o roteiro que o JC fe

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM