Jornal do Commercio
RECORDE

Onda de quase 24 metros bate o recorde do hemisfério sul

A onda foi registrada por cientistas nessa terça-feira (8), no Oceano Austral, ao sul da Nova Zelândia

Publicado em 11/05/2018, às 07h55

A onda chegou a 23,8 metros de altura, o que equivale a um prédio de oito andares / Foto: AFP
A onda chegou a 23,8 metros de altura, o que equivale a um prédio de oito andares
Foto: AFP
AFP

Cientistas mediram aquela que provavelmente é a maior onda já registrada no hemisfério sul, de 23,8 metros de altura, o equivalente a um prédio de oito andares.

A onda foi registrada na terça-feira no Oceano Austral, conhecido pela violência de suas tormentas, perto de Campbell Island, 700 km ao sul da Nova Zelândia, anunciou a MetOcean Solutions, instituto de pesquisas de oceanografia.

De acordo com o oceanógrafo Tom Durrant, a onda ola, que foi medita durante uma forte tempestade com o uso de uma boia, pulverizou o recorde anterior no hemisfério sul, de 22,03 metros, registrado em 2012.



"Pelo que sabemos, esta é a maior onda já registrada no hemisfério sul", disse.

O Oceano Austral, explicou o cientista, funciona como uma "casa de máquinas" que gera ondas que se propagam por todo o planeta.

"De fato, os surfistas da Califórnia podem se preparar para que a energia desprendida por esta tempestade alcance suas costas dentro de uma semana, mais ou menos", completou Durrant.

O cientista acredita que a tempestade que atingiu a região antes de seguir para o leste provavelmente provocou ondas superiores a 25 metros.

A boia da equipe de pesquisas, no entanto, instalada em março para registrar as condições meteorológicas extremas do Oceano Austral, não estava no local correto para medir estas ondas, explicou Durrant.

Além disso, para economizar as baterias, o aparelho só registra os dados em intervalos de 20 minutos a cada três horas.

"É muito provável que tenham acontecido ondas maiores quando não estava gravando", disse.

A maior onda do planeta

A maior onda registrada no planeta foi um tsunami provocado em 1958 por um terremoto em Lituya Bay, no Alasca, com 30,5 metros de altura, segundo a Smithsonian Magazine, publicação da instituição americana de pesquisa científica.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada
Cantos e Recantos Cantos e Recantos
A temporada de sol está nos espreitando, e a Praia de Boa Viagem é sempre uma opção de passeio. Mas que tal ousar um pouquinho na quilometragem e desbravar outros destinos? Pernambuco tem muitos lugares fantásticos e você vai adorar o roteiro que o JC fe

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM