Jornal do Commercio
CONFIRMAÇÃO

Estudo confirma que Hitler morreu em 1945

A pesquisa confirma a versão geralmente aceita de que o ditador morreu em 30 de abril de 1945, em Berlim

Publicado em 19/05/2018, às 11h31

Hitler morreu em 30 de abril de 1945 / Reprodução/ Internet
Hitler morreu em 30 de abril de 1945
Reprodução/ Internet
AFP

Adolf Hitler morreu em 1945 em Berlim, após beber cianureto e disparar um tiro em si mesmo, confirmaram pesquisadores franceses que tiveram acesso aos restos mortais da arcada dentária do ditador, que é conservada em Moscou.

"Os dentes são autênticos, não restam dúvidas. Nosso estudo prova que Hitler morreu em 1945", disse à AFP o professor Philippe Charlier.

"Já podemos parar com todas as teorias conspiratórias sobre Hitler. Ele não foi para a Argentina em um submarino, não está escondido em uma base na Antártica, nem no lado oculto da Lua", indicou Charlier.

O estudo, do qual Charlier é coautor com outros quatro pesquisadores, foi publicado na sexta-feira na revista científica European Journal of Internal Medicine.

A análise da precária arcada dentária de Hitler e de várias peças não encontrou vestígios de carne, já que o ditador nazista era vegetariano, disse Charlier.

Em março e em julho de 2017, o serviço secreto russo FSB e os arquivos estatais russos autorizaram uma equipe de cientistas a examinar a ossada do ditador, pela primeira vez desde 1946, contou o especialista.



A equipe francesa pôde analisar um fragmento do crânio que foi atribuído ao "Führer", que tinha um buraco no lado esquerdo que provavelmente foi provocado pelo impacto da bala.

Os cientistas não puderam pegar amostras deste fragmento.

A morfologia do fragmento correspondia com as radiografias do crânio de Hitler feitas antes de sua morte, considerou o estudo.

Mistério Solucionado

Esta pesquisa confirma a versão geralmente aceita de que Hitler morreu em 30 de abril de 1945 em seu bunker de Berlim com sua companheira Eva Braun, e também dá novas informações sobre as causas exatas de sua morte, assinalou Charlier.

"Não sabíamos se havia usado uma cápsula de cianureto para se matar ou uma bala na cabeça. As duas são muito prováveis", disse.

A análise da arcada dentária não encontrou rastros de pólvora, o que indica que o revólver não entrou na boca e que, mais provavelmente, foi apontado para o pescoço ou para a testa.

Além disso, depósitos azulados em suas próteses dentárias podem indicar "que houve uma reação entre cianureto e o metal da prótese", disse o pesquisador.

Charlier, especialista em Medicina e Antropologia legais, também participou da análise do coração mumificado de   Ricardo Coração de Leão.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM