Jornal do Commercio
Tragédia

Chuvas deixam 122 mortos no Japão

As chuvas entre sexta-feira e domingo atingiram níveis recordes em 93 pontos de observação de 14 municípios

Publicado em 09/07/2018, às 19h45

Na cidade de Kumano, a lama destruiu várias casas, que viraram pilhas de madeira / Foto: Jiji Press / AFP
Na cidade de Kumano, a lama destruiu várias casas, que viraram pilhas de madeira
Foto: Jiji Press / AFP
AFP

Ao menos 122 pessoas morreram em consequência das fortes chuvas na região oeste do Japão, anunciaram as autoridades, que prosseguem com a busca por desaparecidos em bairros completamente cobertos de lama e entre os escombros de imóveis.

As operações de busca continuavam no oeste do arquipélago, onde dezenas de pessoas continuam desaparecidas. Por isso, as autoridades temem o aumento do balanço de mortos com o avanço dos trabalhos de busca.

Com a gravidade da situação, o primeiro-ministro Shinzo Abe cancelou uma viagem que o levaria a Bélgica, França, Arábia Saudita e Egito, informou a imprensa.

Na cidade de Kumano, a lama destruiu várias casas, que viraram pilhas de madeira.

O sol começa a secar as áreas inundadas. As equipes de emergência procuravam os vestígios de muitos desaparecidos.

"Estamos retirando os escombros onde podemos. Também retiramos casas destruídas. Se não fizermos isto é impossível chegar até os possíveis sobreviventes presos nos escombros", afirmou uma fonte militar.

Ao retornar para suas casas destruídas com a redução da chuva, os moradores começaram a perceber a amplitude da tragédia. Bairros inteiros estão inundados, veículos foram parar em crateras abertas em estradas devastadas, pontes foram destruídas e a lama domina o cenário.

Na cidade de Kurashiki, na província de Okayama, "parece que não há mais ninguém pedindo ajuda nos telhados das casas", afirmou um socorrista à AFP.

"Os socorristas se deslocavam ontem (domingo) em barcos pela amplitude das inundações, mas a água está escoando progressivamente e, se o nível registrar uma redução suficiente, poderão chegar a zonas muito afetadas por estrada ou a pé", disse à AFP a porta-voz da agência de gestão de catástrofes do município de Okayama.



"Hoje não chove, mas temos que permanecer alertas com a lama", insistiu.

Esta é uma das piores catástrofes do tipo nos últimos anos no Japão, com um número de vítimas que supera o registrado nos deslizamentos de terra de 2014 em Hiroshima, com 74 mortos.

As passagens de dois tufões em agosto e setembro de 2011 deixaram mais de 100 mortos.

No domingo, o governo retirou o estado de alerta máximo.

Situação meteorológica "anormal"

"As operações de resgate prosseguem as 24 horas do dia", afirmou no domingo à AFP Yoshihide Fujitani, diretor da agência de gestão de catástrofes de Hiroshima. 

"Também ajudamos as pessoas retiradas de suas casas e tentamos recuperar as infraestruturas vitais como a rede de água e gás", declarou Fujitani à AFP.

"É uma situação anormal diante de um risco iminente, não se aproximem das zonas de risco, mantenham-se em alerta", insistiu um funcionário da agência meteorológica, Yasushi Kajiwara.

As chuvas entre sexta-feira e domingo atingiram níveis recordes em 93 pontos de observação de 14 municípios.

Cinquenta e quatro mil integrantes dos corpos de bombeiro, da polícia e das Forças de Autodefesa (nome do Exército japonês) foram mobilizados para as áreas afetadas, "fazendo o máximo para salvar vidas", destacou o primeiro-ministro Abe.

Quase cinco milhões de pessoas receberam a recomendação de deixar suas casas.

Algumas fábricas (Panasonic, Mitsubishi Motors, Mazda) foram obrigadas a paralisar suas cadeias de produção na região, assim como empresas de serviços como Amazon.

O Japão costuma ser afetado por fortes frentes de chuva, além de tufões, muitas vezes mortais, que alcançam o arquipélago no verão.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM