Jornal do Commercio
funcionários

Médicos são demitidos na Nicarágua por socorrer e apoiar manifestantes

Ao menos doze médicos e enfermeiras foram demitidos por atender manifestantes feridos e apoiar os protestos contra Ortega

Publicado em 27/07/2018, às 20h10

Segundo grupos humanitários, a repressão aos protestos já deixou mais de 300 mortos e 2 mil feridos / Foto: MARVIN RECINOS / AFP
Segundo grupos humanitários, a repressão aos protestos já deixou mais de 300 mortos e 2 mil feridos
Foto: MARVIN RECINOS / AFP
AFP

Ao menos doze médicos e enfermeiras de um hospital público da Nicarágua foram demitidos nesta sexta-feira por atender manifestantes feridos e apoiar os protestos contra o presidente Daniel Ortega, informou uma fonte médica.

Os funcionários foram demitidos do hospital Oscar Danilo Rosales, vinculado ao Ministério da Saúde e situado na cidade de León, "sem qualquer justificativa legal", denunciaram os próprios envolvidos.

As demissões aconteceram porque "dizem que fossos solidários e apoiamos" a luta do povo, declarou à  AFP o chefe do departamento de cirurgia e endoscopia do hospital, Javier Pastora.

O médico, que trabalha há 33 anos no sistema público de saúde, informou que entre os demitidos há ao menos oito médicos especialistas, três enfermeiras e um técnico de laboratório.

"Estava em uma cirurgia quando chegaram dos recursos humanos para me dizer que fosse à direção porque estava demitido", revelou o cirurgião especializado em oncologia Aarón Delgado.



É uma demissão "arbitrária, não há justificativa", protestou o pediatra Edgar Zúñiga, que também foi afastado.

"Fomos despedidos apenas por pensar diferente, (por dizer) que na Nicarágua precisamos de democracia, liberdade, o fim da repressão e das mortes, e mais diálogo".

Um protesto diante do hospital exige a reintegração dos funcionários.

León, um tradicional bastião sandinista, foi alvo de violentas incursões da polícia de choque e de paramilitares após o início dos protestos contra o governo, em 18 de abril.

Repressão

Segundo grupos humanitários, a repressão aos protestos já deixou mais de 300 mortos e 2 mil feridos, muitos socorridos por médicos voluntários fora dos hospitais, diante da suposta negativa dos órgãos públicos de atender os opositores.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM