Jornal do Commercio
PROTESTOS

Líder estudantil diz que resistência continuará na Nicarágua

Apesar da aparente calma, a mobilização contra Ortega vai continuar na Nicarágua

Publicado em 06/08/2018, às 14h00

A repressão aos protestos contra o governo deixou 317 mortos, centenas de feridos, desaparecidos e detidos / Foto: Marvin Recinos/ AFP
A repressão aos protestos contra o governo deixou 317 mortos, centenas de feridos, desaparecidos e detidos
Foto: Marvin Recinos/ AFP
AFP

A mobilização nas ruas para pressionar a saída do poder do presidente Daniel Ortega vai continuar, apesar da aparente calma atual na Nicarágua - afirmou o líder estudantil Lesther Alemán.

Segundo o estudante de Comunicação, de 20 anos, Ortega não tem outra alternativa a não ser aceitar a antecipação das eleições, como pedem seus adversários, "porque, se não, será ingovernável".

A repressão aos protestos contra o governo deixou 317 mortos, centenas de feridos, desaparecidos e detidos, enquanto milhares fogem do país pela repressão contra os promotores das manifestações e o impacto da crise sobre a economia.

"A resistência na rua vai continuar. Não porque eu venha e a convoque. É porque as pessoas têm esse sentimento de continuar nas ruas", declarou Alemán à AFP em uma "casa de segurança", onde vive na clandestinidade junto com outros estudantes.

Sua manifestação contrasta com a imagem de normalidade e calma que Ortega transmitiu em suas últimas aparições públicas, incluindo entrevistas com veículos internacionais.

"Há até 15 dias o país estava paralisado, mas vem-se recuperando", declarou Ortega, em uma entrevista à rede americana CNN transmitida em 30 de julho.

"Há uma tendência a que o país se estabilize no campo econômico e comercial", acrescentou.

Alemán afirma que esse quadro não corresponde à realidade.

"O êxodo em massa para Costa Rica e Honduras não é normal. O medo que as pessoas sentem nas ruas ao ver os paramilitares não é normal (...) O discurso de Ortega é uma mentira", criticou.

Alemán está convencido de que a luta continuará por três caminhos: a resistência nas ruas da Nicarágua, a pressão internacional de organizações e países e o diálogo governo-oposição "para alcançar uma saída pacífica".

O diálogo do governo Ortega com a Aliança Civil pela Democracia e pela Justiça fez de Lesther Alemán uma das figuras de mais destaque dos protestos iniciados em 18 de abril para exigir a saída de Ortega.



No primeiro dia do diálogo, em 16 de maio, Alemán tomou a palavra e, dirigindo-se diretamente a Ortega, exigiu do presidente que contenha a repressão dos estudantes. Também advertiu-o de que "esta é uma mesa para negociar sua saída".

"Ortega perdeu as ruas, perdeu a legitimidade, perdeu a governabilidade que pintava para fora, perdeu o apoio internacional e perdeu as bases de seu partido. Perdeu a Nicarágua", frisou Alemán.

Para o líder estudantil, a saída de Ortega é a única solução para a crise na Nicarágua. O primeiro acordo do diálogo entre governo e oposição deve ser a antecipação das eleições de 2021 para 2019, de modo a assegurar sua saída para antes do previsto.

"Deve renunciar, porque a crise na Nicarágua é pela presença de Ortega; os crimes de lesa-humanidade são por Ortega no poder; a crise econômica é pela presença de Ortega no poder", insistiu.

Ortega rejeita a possibilidade de deixar o cargo.

Uma nova Nicarágua 

Lesther Alemán reconhece que o clima de protestos em massa contra o governo Ortega se amenizou, mas tem certeza de que voltará.

"Isso é um terremoto social. As forças podem se recolher, talvez a gente não veja marchas em uma semana. Você precisa disso, porque o ser humano se cansa, mas retoma forças para seguir", explica.

Ele está convencido de que a mobilização tem de continuar até alcançar o sonho de ver mudanças no país, onde os adversários de Ortega acusam o presidente de instaurar uma ditadura corrupta junto com sua mulher e vice-presidente, Rosario Murillo.

"Em 18 de abril, nós deixamos sonhos, desejos e metas de lado (...) Mas, quando acontece esta insurreição pacífica de jovens, dissemos que há um único sonho que vamos lutar para conseguir: que é ver a Nicarágua livre", completou.

"Ortega vai sair como a pior coisa deste país. Acredito que vá ser lembrado pelo tanto de sangue que derramou, pelo quão injusto e ditatorial ele foi e porque centralizou tudo a seu favor. Assim será lembrado", vaticina Alemán.





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.
Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM