Jornal do Commercio
Show no céu

Chuva de estrelas cadentes terá auge na noite de domingo

Para admirar o fenômeno não é necessário nenhum instrumento, mas os especialistas recomendam se afastar das luzes da cidade

Publicado em 10/08/2018, às 20h03

A chuva de estrelas é causada pelas Perseidas, um campo de partículas deixadas pelo cometa Swift-Tuttle / Foto: Ethan Miller/Getty Images/AFP
A chuva de estrelas é causada pelas Perseidas, um campo de partículas deixadas pelo cometa Swift-Tuttle
Foto: Ethan Miller/Getty Images/AFP
AFP

A tradicional chuva de estrelas do mês de agosto atingirá seu auge na noite de domingo (12) e madrugada de segunda-feira (13), um espetáculo celeste realçado este ano por um céu escuro de lua nova.

O auge do fenômeno "deverá ocorrer por volta das 02H00 GMT de segunda-feira (23H00 de domingo em Brasília) com uma ou duas estrelas cadentes por minuto", explicou à AFP Florent Deleflie, astrônomo do Observatório de Paris.

"Assim que cair a noite de domingo, os observadores poderão esperar ver dezenas de meteoros por hora", apontou a Royal Astronomical Society (RAS) em um comunicado.

As previsões auguram um 2018 "na média" para as Perseidas - melhor que o ano passado mas não tão bom como 2016, que foi excepcional.

Cometa

A chuva de estrelas é causada pelas Perseidas, um campo de partículas deixadas pelo cometa Swift-Tuttle, que a Terra cruza a cada ano entre meados de julho e meados de agosto.



Ao entrar em nosso planeta, essas partículas chocam com as moléculas da atmosfera. A colisão violenta produz luz. Cada partícula se transforma então em uma "estrela cadente".

Embora o número esperado de estrelas cadentes não seja excepcional, as condições de observação serão "perfeitas", segundo a Royal Astronomical Society. Porque "lua nova é sinônimo de céu mais escuro".

Para admirar o fenômeno não é necessário nenhum instrumento, mas os especialistas recomendam se afastar das luzes da cidade, privilegiar o mar e a montanha e ter paciência, uma vez que a visão leva pelo menos 10 minutos para se acostumar à escuridão.

Florent Deleflie anima os observadores a "manter os olhos no céu porque alguns fenômenos muito furtivos ou algumas estrelas cadentes muito pequenas só são visíveis quando se olha permanentemente a abóbada celeste".

"Se as nuvens tornarem a observação impossível este fim de semana, saibam que a chuva de estrelas cadentes durará ainda alguns dias, embora com uma atividade reduzida", disse a Royal Astronomical Society.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada
Cantos e Recantos Cantos e Recantos
A temporada de sol está nos espreitando, e a Praia de Boa Viagem é sempre uma opção de passeio. Mas que tal ousar um pouquinho na quilometragem e desbravar outros destinos? Pernambuco tem muitos lugares fantásticos e você vai adorar o roteiro que o JC fe

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM