Jornal do Commercio
Emigração

OEA cria grupo de trabalho sobre êxodo venezuelano

O grupo deverá avaliar ''a escala completa'' do fenômeno e ''a crise de refugiados'' e emitir recomendações para melhorar a situação

Publicado em 06/09/2018, às 04h55

Ao menos 1,6 milhão saíram da Venezuela desde 2015, devido a escassez de medicamentos e alimentos  / Foto: CRISTINA VEGA / AFP
Ao menos 1,6 milhão saíram da Venezuela desde 2015, devido a escassez de medicamentos e alimentos
Foto: CRISTINA VEGA / AFP
AFP

A secretaria geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) anunciou nesta quarta-feira (5) a criação de um grupo de trabalho para avaliar o impacto do êxodo venezuelano, e o início "imediato" da captação de fundos para cumprir suas recomendações.

O secretário-geral da OEA, Luis Almagro, informou as medidas ao encerrar a sessão extraordinária do Conselho Permanente do organismo, convocada "para analisar a crise migratória provocada pela situação na Venezuela".

O grupo de trabalho sobre a migração venezuelana, que atuará com "agências sociais", deverá avaliar "a escala completa" do fenômeno e "a crise de refugiados" e emitir recomendações para melhorar a situação, explicou.

Entre os objetivos a médio prazo, destacou a regularização dos migrantes em questões trabalhistas, de renda, de educação e de acesso à saúde, mas também disse que o grupo deverá "resolver as questões mais urgentes" que afetam os migrantes no curto prazo, como as doenças e os problemas de alimentação e moradia.

"A solução para a Venezuela é democracia. Enquanto continuar este regime, vai continuar aplicando o velho método das ditaduras do continente, ou seja, liquefazer a pressão social para fora. E o resto dos países pagam por sua ineficiência, indolência e imoralidade", disse Almagro.



A Venezuela, afetada por uma grave crise econômica com hiperinflação e escassez de bens e serviços, registrou nos últimos meses um êxodo maciço de sua população, principalmente para a Colômbia, Brasil, Peru e outros países latino-americanos.

Opositor liderará grupo de trabalho

Almagro anunciou ainda que o ex-prefeito opositor ao governo da Venezuela David Smolansky, atualmente no exílio, liderará o grupo de trabalho da OEA.

David Smolansky é "uma pessoa absolutamente comprometida com a causa dos emigrantes venezuelanos" e que "já visitou os acampamentos e esteve perto das pessoas tanto no Brasil como na Colômbia".

O êxodo do outrora rico país petroleiro levou os governos de Peru e Equador a implementarem controles para regular a entrada de venezuelanos, enquanto o Brasil anunciou o envio temporário das Forças Armadas à fronteira com a Venezuela após o surto de violência na região.

Ao menos 2,3 milhões de venezuelanos (7,5% da população de 30,6 milhões) vivem no exterior, dos quais 1,6 milhão emigraram desde 2015, quando a escassez de medicamentos e alimentos em seu país piorou em meio a uma hiperinflação que pulveriza os salários, segundo dados da ONU.





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.
Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM