Jornal do Commercio
ESTADOS UNIDOS

Ventos e chuva do furacão Florence começam a chegar nas Carolinas do Norte e Sul

Meteorologistas alertam que a ampliação da tempestade e a probabilidade de que permaneça ao longo da costa por dias aumenta o risco de chuvas torrenciais

Publicado em 13/09/2018, às 16h06

A principal estimativa é de que o olho do Florence chegue ao continente na tarde da sexta-feira / Foto: CHIP SOMODEVILLA / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP
A principal estimativa é de que o olho do Florence chegue ao continente na tarde da sexta-feira
Foto: CHIP SOMODEVILLA / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP
Estadão Conteúdo

As faixas externas de vento e chuva do furacão Florence começaram a chegar na Carolina do Norte nesta quinta-feira, 13, conforme a enorme tempestade se move pela costa sudoeste dos Estados Unidos, prometendo inundar propriedades de 10 milhões de pessoas. As maiores velocidades registradas do fenômeno caíram de uma velocidade de 225 quilômetros por hora para 110 quilômetros por hora no início desta quinta, reduzindo o poder de destruição dos ventos de categoria 4 para categoria 2.

No entanto, meteorologistas alertam que a ampliação da tempestade e a probabilidade de que permaneça ao longo da costa por dias aumenta o risco de chuvas torrenciais. "A maior preocupação, como vimos no Harvey, é a enorme quantidade de chuvas", disse o chefe da divisão de previsão e análise tropical do Centro Nacional de Furacões.

Centro do furacão

No início da manhã, o centro do furacão estava a cerca de 275 quilômetros de Wilmington, na Carolina do Norte, e a 355 quilômetros de Myrtle Beach, na Carolina do Sul. Os ventos com força de furacão estavam soprando a 130 quilômetros por hora e ventos com força de tempestades chegaram a 315 quilômetros.

A principal estimativa é de que o olho do Florence chegue ao continente na tarde da sexta-feira, pairando sobre a costa no sábado, empurrando tempestades e despejando entre 50 a 75 centímetros de altura de água nos dois Estados.



Cerca de 5,25 milhões de pessoas vivem nas áreas sob alerta ou observação do furacão e outras 4,9 milhões moram em locais sob avisos de tempestades tropicais, disse o Serviço Nacional de Meteorologia. O diretor de meteorologia da Weather Underground, Jeff Masters, disse que o Florence pode eventualmente chegar à categoria 1, com ventos menores que 160 quilômetros por hora, mas os danos causados ainda estariam na casa de pelo menos US$ 1 bilhão.

Em furacões, a água mata mais pessoas do que o vento. No caso do Florence, chuva e tempestades toram o fenômeno extremamente perigoso.

O presidente dos EUA, Donald Trump, pediu à população que saia do caminho do furacão. "Não brinquem com isso. É (um furacão) grande", alertou.

O número de pessoas que fugiram ainda não é exato, mas mais 1,7 milhão de habitantes da Carolina do Norte, Carolina do Sul e Virgínia foram advertidas para deixar suas casas.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM