Jornal do Commercio
Tragédia

Indonésia encerra buscas por desaparecidos após terremoto

Cerca de 80 mil pessoas perderam as suas casas após o terremoto e tsunami

Publicado em 11/10/2018, às 09h19

O governo prevê deixar no estado atual duas localidades próximas a Palu, Petobo e Balaroa, que foram destruídas pela catástrofe / OLAGONDRONK / AFP
O governo prevê deixar no estado atual duas localidades próximas a Palu, Petobo e Balaroa, que foram destruídas pela catástrofe
OLAGONDRONK / AFP
AFP

As autoridades indonésias concluíram nesta quinta-feira (11) as buscas por milhares de pessoas supostamente desaparecidas desde o terremoto seguido de tsunami que afetou, no fim de setembro, a cidade Palu na ilha Célebes, uma tragédia que deixou mais de 2.000 mortos.

"A operação de busca e salvamento das vítimas termina nesta quinta-feira à tarde", afirmou à AFP o coordenador das tarefas em Palu, Bambang Suryo.

A cidade, situada na zona oeste da ilha Célebes, e seus arredores foram devastados pelo terremoto de 28 de setembro - de 7,5 graus - e pelo tsunami posterior.



Os serviços de emergência recuperaram mais de 2.000 corpos, mas as autoridades acreditam que 5.000 pessoas estão desaparecidas, muitas delas nos escombros de casas e prédios destruídos.

Ajuda humanitária 

O governo prevê deixar no estado atual duas localidades próximas a Palu, Petobo e Balaroa, que foram destruídas pela catástrofe. Os sobreviventes das comunidades devastadas terão que decidir se desejam criar sepulturas coletivas, construir um monumento ou transformá-las em zonas verdes.

Quase 200.000 pessoas precisam de ajuda humanitária urgente. Comida e água potável estão em falta e muitas vítimas perderam tudo.

Quase 80.000 pessoas perderam suas casas e estão em abrigos improvisados.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM