Jornal do Commercio
Tragédia

Indonésia encerra buscas por desaparecidos após terremoto

Cerca de 80 mil pessoas perderam as suas casas após o terremoto e tsunami

Publicado em 11/10/2018, às 09h19

O governo prevê deixar no estado atual duas localidades próximas a Palu, Petobo e Balaroa, que foram destruídas pela catástrofe / OLAGONDRONK / AFP
O governo prevê deixar no estado atual duas localidades próximas a Palu, Petobo e Balaroa, que foram destruídas pela catástrofe
OLAGONDRONK / AFP
AFP

As autoridades indonésias concluíram nesta quinta-feira (11) as buscas por milhares de pessoas supostamente desaparecidas desde o terremoto seguido de tsunami que afetou, no fim de setembro, a cidade Palu na ilha Célebes, uma tragédia que deixou mais de 2.000 mortos.

"A operação de busca e salvamento das vítimas termina nesta quinta-feira à tarde", afirmou à AFP o coordenador das tarefas em Palu, Bambang Suryo.

A cidade, situada na zona oeste da ilha Célebes, e seus arredores foram devastados pelo terremoto de 28 de setembro - de 7,5 graus - e pelo tsunami posterior.



Os serviços de emergência recuperaram mais de 2.000 corpos, mas as autoridades acreditam que 5.000 pessoas estão desaparecidas, muitas delas nos escombros de casas e prédios destruídos.

Ajuda humanitária 

O governo prevê deixar no estado atual duas localidades próximas a Palu, Petobo e Balaroa, que foram destruídas pela catástrofe. Os sobreviventes das comunidades devastadas terão que decidir se desejam criar sepulturas coletivas, construir um monumento ou transformá-las em zonas verdes.

Quase 200.000 pessoas precisam de ajuda humanitária urgente. Comida e água potável estão em falta e muitas vítimas perderam tudo.

Quase 80.000 pessoas perderam suas casas e estão em abrigos improvisados.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM