Jornal do Commercio
CIDADANIA

Tribunal decide que EUA devem manter proteção a jovens sem documentos

O governo Trump anunciou a intenção de acabar o programa de proteção desde o ano passado

Publicado em 09/11/2018, às 04h43

A administração Trump tentou bloquear uma liminar dos tribunais / Foto: AFP
A administração Trump tentou bloquear uma liminar dos tribunais
Foto: AFP
Agência Brasil

Um tribunal federal de apelações de San Francisco, Califórnia, decidiu nessa quarta-feira (7) que o governo norte-americano não pode encerrar imediatamente o Programa de Ação Diferida para Crianças que Chegaram na Infância (Daca), que dá aos jovens sem documentos que chegaram ao país durante a infância sem permissão de entrada (visto) a chance de continuar vivendo e trabalhando nos Estados Unidos sem a ameaça de deportação.

A decisão foi proferida pelo 9º Tribunal de Apelações do Circuito dos EUA e significa que uma liminar nacional, permitindo que o programa continue, permanecerá em vigor.

A administração Trump tentou bloquear uma liminar dos tribunais de primeira instância, que impediu temporariamente o governo de avançar com os planos para acabar com o Daca. A decisão foi proferida poucos dias depois de o governo Trump ter pedido à Suprema Corte para julgar três processos pendentes relativos a manutenção do Daca.

O texto deferido diz que, embora o Executivo exerça poder na aplicação das leis de imigração, isso deve ser feito de maneira "livre de equívocos legais e é democraticamente responsável perante o público”.



O juiz Kim McLane Wardlaw, autor da decisão, disse que a rescisão do Daca solicitada pelo governo, "segundo as justificativas apresentadas para ser suspensa, é arbitrária, caprichosa ou não está de acordo com a lei".

A criação do programa

O programa de proteção foi criado durante a administração de Obama, em 2014, por meio de uma ordem executiva, para proteger jovens imigrantes ilegais que foram trazidos para os Estados Unidos quando crianças. Além de não permitir a deportação, os imigrantes que possuem o benefício podem trabalhar legalmente, mediante uma permissão de trabalho, e estudar.

Em setembro do ano passado, o governo Trump anunciou sua intenção de eliminar o programa. Nos meses seguintes, o Daca acabou se tornando "moeda de troca" entre a base de Trump no Congresso e os democratas.

O presidente norte-americano queria manter o benefício em troca da aprovação do orçamento para a construção do muro fronteiriço com o México. Mas não houve consenso, e o benefício vem sendo mantido por meio de decisões judiciais. O caso foi levado ao tribunal de apelação pela Universidade da Califórnia.

 


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM