Jornal do Commercio
TRIPULANTES

Histórias de vida a bordo do submarino San Juan

Algumas histórias da tripulação do submarino ARA San Juan desapareceram há um ano e foram reencontradas neste sábado (17)

Publicado em 17/11/2018, às 14h34

O último contato com a tripulação do feminicídio ocorreu em 15 de novembro de 2017 / Foto: Damian Dopacio / NOTICIAS ARGENTINAS / AFP
O último contato com a tripulação do feminicídio ocorreu em 15 de novembro de 2017
Foto: Damian Dopacio / NOTICIAS ARGENTINAS / AFP
AFP

A primeira submarinista da América do Sul, um cabo que planejava se casar e um comandante de Tucumán: algumas histórias da tripulação do submarino ARA San Juan desapareceram há um ano e foram reencontradas neste sábado (17) a 800 metros de profundidade no Oceano Atlântico.

Mulher de armas

Eliana Krawczyk sonhava em ser engenheira industrial, mas uma tragédia familiar a levou a mudar de vida e se tornar a primeira submarinista sul-americana.

Originária de Oberá, na província de Misiones (nordeste), Eliana, aos 21 anos, conhecia pouco o mar. As mortes de um irmão em um acidente e de sua mãe depois de um ataque cardíaco mudaram sua vida. Ela se matriculou na Escola Naval e, em 2012, se tornou uma submarinista, a primeira na América do Sul. Com 35 anos de idade na época do desaparecimento do San Juan, era a chefe de armas do submarino.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

 

Sobre sua vida a bordo, dizia que se sentia à vontade. "Sou a única mulher a bordo e me sinto bem, contente e feliz", disse em uma entrevista.

O comandante

O capitão da fragata Pedro Martín Fernández era o comandante do submarino e tinha 45 anos quando na época do incidente. Nascido em Tucumán, no norte da Argentina, ele era casado e tinha três filhos adolescentes.

Em 2 de março de 2015 havia se mudado para a cidade costeira Mar del Plata, 40km ao sul da capital, para a estação da ARA San Juan, onde quase toda a tripulação residia.

Foi ele quem enviou, em 15 de novembro, a última mensagem do submarino, na qual relatou a entrada de água do mar através do sistema de ventilação da bateria, o que causou um curto-circuito e o início de um incêndio. No entanto, no mesmo contato, ele considerou que a falha havia sido controlada.



Ele não era o único Tucumán da tripulação. Também havia o cabo Luis Esteban García, então com 31 anos de idade.

Marinheiros no altar

O primeiro-cabo Luis Niz, de 25 anos, esperava levar sua coelga, a primeira-cabo Alejandra Morales, também música, ao altar. Tudo estava pronto para o casamento, marcado para 7 de dezembro de 2017.

Nascido na província de La Pampa, Niz se formou com destaque em 2016, o que lhe permitiu ser escalado para a ARA San Juan.

O tenente Renzo Martin Silva, de 32 anos, também planejava ir ao altar em 2018. Entrou na Academia Naval aos 18 anos e sonhava ser um submarinista desde a infância em sua terra natal, San Juan, uma província situada na Cordilheira de os Andes.

Ele morava com María Eugenia Ulivarri Rodi, uma militar como ele e que seria sua futura esposa.

Papai Fernando

Fernando Santilli, de então 35 anos, era submarinista desde 2010. Engenheiro de profissão, deixou sua cidade natal Mendoza (oeste) muito jovem para buscar o sonho de ser mergulhador.

Seu filho pequeno Stefano aprendeu a dizer "papai" enquanto ele estava desaparecido em alto-mar, contou sua esposa Jessica Gopar. "Não nos deixem sozinhos", implorou Gopar à mídia quando perdeu a esperança de encontrar seu "primeiro amor" vivo.

"Foi meu grande amor. Namoramos sete anos, seis de casado e temos um filho, Stefano, que nos custou muito e que Deus nos enviou", declarou na ocasião.

A última vez que se viram foi em 17 de outubro de 2017, antes de ele embarcar em uma viagem que parou em Ushuaia, 3.200 km ao sul, de onde se comunicaram pela última, e de onde deixaria o mar a caminho de casa. Ele nunca chegou.





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.
Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM