Jornal do Commercio
VENEZUELA

Comandantes militares declaram 'apoio irrestrito' a Maduro

O segundo mandato de Nicolás Maduro não é reconhecido pelo Parlamento venezuelano

Publicado em 08/01/2019, às 21h57

A posse do presidente Nicolás Maduro acontecerá nesta quinta-feira (10) / Foto: JUAN BARRETO / AFP
A posse do presidente Nicolás Maduro acontecerá nesta quinta-feira (10)
Foto: JUAN BARRETO / AFP
AFP

O alto comando da Força Armada venezuelana reafirmou nesta terça-feira (8) seu apoio ao presidente Nicolás Maduro, nas vésperas de sua posse para um segundo mandato, não reconhecido pelo Parlamento e por grande parte da comunidade internacional.

A Força Armada manifesta "irrestrito apoio e lealdade absoluta ao cidadão Nicolás Maduro como presidente constitucional" e "comandante para o período 2019-2025", declarou o ministro da Defesa, general Vladimir Padrino, acompanhado da cúpula militar.

Maduro será empossado pelo Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), e não pelo Legislativo, controlado pela oposição e que ignora sua reeleição.

Maikel Moreno, presidente do TSJ, convocou Maduro para a posse às 10H00 local (12H00 Brasília) desta quinta-feira (10).

O Parlamento, que qualificou Maduro de "usurpador" no sábado passado, começou nesta terça-feira a debater fórmulas para promover a "transição política" na Venezuela.

Grupo de Lima

Padrino manifestou sua "profunda indignação e rejeição categórica" à declaração do Grupo de Lima, que com o apoio dos Estados Unidos pediu - na sexta-feira passada - que o líder venezuelano entregasse o poder à Assembleia Nacional, controlada pela oposição.



Nesta terça-feira, a Assembleia Constituinte, integrada por representantes do chavismo, decretou que os opositores que apoiaram a declaração do Grupo de Lima serão investigados por traição à pátria.

Ordenamos uma "investigação imediata por traição à pátria sobre todos que aderiram à declaração do mal do chamado Grupo de Lima", disse o presidente da Constituinte, Diosdado Cabello.

A declaração do Grupo de Lima incluiu um ponto que rejeita "qualquer provocação ou movimentação militar que ameace a paz e a região", e pede a Maduro que desista de "ações que violem os direitos soberanos de seus vizinhos".

Em relação a este ponto, Cabello declarou que "a defesa da nossa soberania é uma questão de Estado que está acima de qualquer divergência política ou ideológica".





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM