Jornal do Commercio
EUA

Trump pede US$ 5,7 bi para conter 'crise' na fronteira com México

A questão da verba para o muro entre EUA e México impede a aprovação do orçamento federal e paralisa diversos serviços públicos americanos

Publicado em 09/01/2019, às 08h15

Donald Trump em seu discurso do Salão Oval da Casa Branca, transmitido em rede nacional / Foto: AFP
Donald Trump em seu discurso do Salão Oval da Casa Branca, transmitido em rede nacional
Foto: AFP
AFP

O presidente americano, Donald Trump, pediu nesta terça-feira 5,7 bilhões de dólares para erguer uma barreira de aço entre Estados Unidos e México, advertindo para a "crescente crise" migratória que ameaça o país.

"Há uma crescente crise humanitária e de segurança em nossa fronteira sul", disse Trump, no momento em que a questão da verba para o muro impede a aprovação do orçamento federal e paralisa diversos serviços públicos. 

Em seu discurso do Salão Oval da Casa Branca, Trump afirmou que os agentes de fronteira enfrentam diariamente "milhares de imigrantes ilegais" que tentam entrar nos EUA a partir do México.

"Nossa fronteira sul é passagem para uma grande quantidade de drogas ilegais, incluindo metanfetamina, heroína, cocaína e fentanil. A cada semana, 300 dos nossos cidadãos morrem apenas pela heroína", destacou Trump. 

Durante o discurso, Trump não disse se recorrerá à lei de emergências - como alguns especulavam - para evitar o Congresso e iniciar a construção da barreira com recursos das Forças Armadas.

A lei de emergência já foi adotada em várias ocasiões, como na presidência de George W. Bush, após os atentados de 11 de setembro de 2001 para aumentar os recursos das Forças Armadas além do orçamento, e pela administração de Barack Obama, durante a epidemia de gripe H1N1 para suspender algumas disposições do sigilo médico.

Mas a iniciativa, implementada através da Ata Nacional de Emergências, pode ser imediatamente impugnada na Justiça.

Reação democrata

A atual paralisação da máquina federal provocada pelo impasse no orçamento afeta cerca de 800 mil funcionários federais, que estão em casa sem remuneração a espera de uma decisão.

A presidente democrata da Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, reagiu imediatamente acusando Trump de tornar o povo americano "refém" ao perpetuar o "shutdown" para forçar a aprovação da verba do muro no novo orçamento.  



"Estes são os fatos: o presidente Trump precisa deixar de fazer os americanos reféns, deve deixar de inventar crises" migratórias e humanitárias na fronteira e "deve reabrir o governo", disse Pelosi durante uma declaração transmitida logo após o discurso do presidente. 

Trump exige uma verba de 5,7 bilhões de dólares no orçamento para levantar um muro que os democratas qualificam de "imoral", caro e ineficaz.

"Não há crise ou invasão"

"Não há crise, não há invasão, não existe um risco identificado, como o presidente quer que os americanos acreditem para que tenham medo", assinalou o legislador democrata Steny Hoyer.

A União Americana para Liberdades Civis (ACLU) declarou que Trump e a secretária de Segurança Nacional, Kirstjen Nielsen, estão mentindo sobre as estatísticas na fronteira e promovendo discursos comprovadamente "falsos". 

"Sua negação da humanidade e dos direitos dos imigrantes está dirigindo a agenda política de seu governo e matando pessoas".

Trump deve viajar na quinta-feira à fronteira com o México "para se encontrar com os que estão na linha de frente".

Construir um muro ao longo dos 3.200 km da fronteira entre Estados Unidos e México foi uma das principais promessas de campanha de Trump, que além do narcotráfico, vincula a imigração ilegal a diversos outros crimes, incluindo violência sexual.

Mas Trump enfrenta agora uma crise de credibilidade, já que poucos americanos estão convencidos de suas afirmações sobre imigrantes clandestinos, criminosos e terroristas abarrotando a fronteira sul.

"Acredito que o melhor que o presidente pode fazer pelo Partido Republicano é apresentar um caso convincente para justificar porque quer mais dinheiro", declarou o senador republicano Lindsey Graham, um conhecido aliado de Trump.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM