Jornal do Commercio
EUA-COREIA DO NORTE

Segunda cúpula entre Trump e Kim é 'iminente'

O líder norte coreano, Kim Jong-un, está em visita à China, que apoiará uma eventual segunda cúpula entre ele e Trump

Publicado em 10/01/2019, às 09h35

 Trump declarou que Washington e Pyongyang negociam um local para o encontro / Foto: SAUL LOEB / AFP
Trump declarou que Washington e Pyongyang negociam um local para o encontro
Foto: SAUL LOEB / AFP
AFP

A visita a Pequim do líder norte-coreano, Kim Jong-un, esta semana, é um sinal de que a segunda cúpula entre ele e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, é "iminente", avaliou nesta quinta-feira (10) o presidente sul-coreano, Moon Jae-in.

"Acredito que a visita à China do presidente Kim Jong-un terá um efeito muito positivo para o sucesso da segunda cúpula EUA-Coreia do Norte", declarou Moon à imprensa. 

Kim foi recebido pelas autoridades chinesas com grande pompa no Palácio do Povo, em Pequim. A China é seu principal apoio diplomático e econômico.

O homem forte de Pyongyang, que viajou de trem e recebeu o apoio do presidente chinês, Xi Jinping, em suas discussões com Washington, prometeu fazer a segunda cúpula com Trump dar "resultados" que respondam às expectativas da comunidade internacional, aponta um balanço publicado pela agência de notícias chinesa Xinhua.

Já Xi Jinping disse ao líder norte-coreano que Pequim apoiará uma eventual segunda cúpula entre ele e o presidente americano e que espera que os dois países encontrem um ponto intermediário.

Para o presidente chinês, existe uma "oportunidade histórica" para um "acordo político na península [coreana]", revelou a Xinhua no segundo dia da visita de Kim Jong-un a Pequim.

Xi acrescentou que a China está disposta a ter um "papel positivo e construtivo" para manter a paz e a estabilidade, e para obter a "desnuclearização" na Península Coreana.

Simultaneamente, a agência de notícias norte-coreana KCNA anunciou que "Kim Jong-un expressou sua preocupação com o estancamento criado no processo para melhorar os laços entre Estados Unidos e a RPDC (Coreia do Norte) e nos diálogos sobre a 'desnuclearização'", mas garantiu que "o princípio de buscar uma solução pacífica por meio do diálogo não mudou".

 Sanções mantidas

Segundo muitos especialistas, em Pequim, chineses e norte-coreanos procuram aproximar suas posições antes do novo encontro com Trump. A data ainda não foi definida.

No domingo, o presidente Trump declarou que Washington e Pyongyang negociam um local para o encontro.

O diálogo entre Estados Unidos e Coreia do Norte sobre o arsenal nuclear de Pyongyang se estancou após a primeira cúpula entre Trump e Kim, realizada em junho passado, em Singapura. O encontro terminou em uma vaga declaração de intenções sobre a "desnuclearização".



Washington insiste em que as sanções das Nações Unidas devem seguir vigentes até que a Coreia do Norte renuncie a seu armamento nuclear, enquanto Pyongyang espera que sejam suspensas.

A China também defende um alívio das sanções. 

De acordo com a Xinhua, Kim declarou que seu país se esforçará para "conseguir resultados que sejam do agrado da comunidade internacional" no próximo encontro com Trump e que "continuará comprometido com a ideia da 'desnuclearização' e de resolver o problema na península coreana por meio do diálogo e das consultas".

Mas o sentido que Pyongyang dá ao conceito de "desnuclearização da península" é problemático aos olhos dos Estados Unidos, uma vez que deve ser acompanhado pela partida das tropas americanas estacionadas na Coreia do Sul.

 'Um pesadelo'

"Se o que o Norte colocar sobre a mesa após a cúpula com a China não corresponder às expectativas de Washington, haverá tensões e novas dúvidas sobre a realização de uma segunda reunião", adverte Kim Han-kwon, analista da Academia Nacional Diplomática da Coreia, um think tank sul-coreano.

Nenhum tratado de paz foi assinado ao final da Guerra da Coreia (1950-1953), com a península ainda dividida entre dois Estados tecnicamente em guerra.

No início do ano passado, após uma troca de ameaças e insultos, Kim e Trump deram início a uma aproximação surpreendente.

Pequim também se aproximou de Pyongyang depois de aplicar sanções internacionais contra o vizinho.

Para Bonnie Glaser, do Center for Strategic and International Studies (CSIS), um centro de estudos americano, a China também espera acompanhar de perto a questão norte-coreana.

"Ela considera que seus interesses não estão ameaçados pela melhoria das relações intercoreanas. Mas a possibilidade de um alinhamento da Coreia do Norte com os Estados Unidos, potencialmente contra Pequim, constitui um pesadelo", afirmou.

Ao longo dos anos, a Coreia do Norte realizou seis testes nucleares e desenvolveu mísseis balísticos que, de acordo com especialistas, podem atingir os Estados Unidos.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM