Jornal do Commercio
VENEZUELA

Maduro ameaça dissolver Parlamento e oposição pede intervenção militar

Após a Assembleia Nacional não reconhecer seu segundo mandato como presidente, Maduro ameaçou fechá-la caso promova "um golpe de Estado"

Publicado em 11/01/2019, às 08h11

A posse de Maduro foi criticada por EUA, União Europeia, OEA e países sul-americanos / Foto: AFP
A posse de Maduro foi criticada por EUA, União Europeia, OEA e países sul-americanos
Foto: AFP
Estadão Conteúdo

Nicolás Maduro assumiu na quinta-feira, 10, seu segundo mandato como presidente da Venezuela sob pressão da comunidade internacional e com uma retórica agressiva contra a oposição. O líder chavista ameaçou dissolver a Assembleia Nacional, controlada pela oposição, mas sem poderes efetivos há três anos, caso ela promova "um golpe de Estado". Já os opositores pediram que os militares insatisfeitos derrubem o regime.

A posse foi criticada por EUA, União Europeia, OEA e países sul-americanos. Foi a primeira vez na Venezuela que um presidente assumiu o cargo diante do Judiciário, não do Parlamento. Em seu discurso, Maduro disse que a dissolução ocorreria por meio da Assembleia Constituinte, criada em 2017 para escrever uma nova Constituição e substituir, na prática, o Parlamento controlado pela oposição. Segundo ele, o Legislativo poderia ser fechado e novas eleições convocadas se os constituintes julgassem necessário.

O Parlamento venezuelano segue se reunindo desde que foi eleito, em 2015, e prometeu não reconhecer a presidência de Maduro. Segundo os opositores, é o primeiro governo não democrático desde o fim da ditadura de Marco Pérez Jiménez, em 1958. O Grupo de Lima, composto por países sul-americanos que monitoram a crise, exige que Maduro deixe o cargo e a Assembleia Nacional conduza um governo de transição.

O novo presidente do Parlamento opositor, Juan Guaidó, pediu ontem aos militares insatisfeitos que atuem contra o governo. "Fazemos um pedido às Forças Armadas, aos oficiais honrados que não se deixaram corromper: deem um passo à frente e desconheçam o que não foi produto do voto popular", afirmou.

Maduro foi eleito em abril do ano passado em uma eleição boicotada pela oposição, com 70% de abstenção e denúncias de fraude. A votação foi antecipada para abril, em uma tentativa de amenizar os efeitos da crise econômica sobre o eleitorado.

Resposta

Em Washington, a OEA aprovou resolução que não reconhece a legitimidade do novo mandato de Maduro. Em uma votação rápida, que durou cerca de 30 minutos, 19 países do Conselho Permanente aprovaram o texto. O Brasil foi um dos países que lideraram a redação da resolução.



O texto da OEA também pede que todos os membros adotem, de acordo com a legislação internacional e respectivas leis nacionais, "as medidas diplomáticas, políticas, econômicas e financeiras que considerem apropriadas para contribuir com a restauração da democracia na Venezuela".

O governo americano também não reconheceu a posse de Maduro. O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, defendeu que o país inicie a transição para um sistema democrático. O assessor de Segurança Nacional, John Bolton, prometeu aumentar a pressão sobre o regime chavista.

Maduro rebate rejeição internacional

O presidente argentino, Mauricio Macri, disse que a Venezuela hoje é uma ditadura e acusou Maduro de se "vitimizar" perante a comunidade internacional. Em resposta à rejeição internacional, Maduro disparou críticas e não economizou ironias.

O líder chavista afirmou que Iván Duque, presidente da Colômbia, "tem medo" da Venezuela. Sobre o peruano Martin Vizcarra, Maduro disse "que não sabe quem é" e nem "como chegou à presidência do Peru". Sobrou até para o brasileiro Jair Bolsonaro, chamado por ele de "fascista".

Até a noite de ontem, nem o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, nem Bolsonaro haviam respondido aos ataques verbais de Maduro. A única reação veio do Itamaraty. Em nota, a chancelaria disse que apoia a "Assembleia Nacional". "O Brasil confirma seu compromisso de continuar trabalhando para a restauração da democracia e do estado de direito na Venezuela", diz a nota. (Com agências)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM