Jornal do Commercio
Estados Unidos

Trump pede diálogo, confirma muro e encontro com Kim Jong-un

Em seu discurso anual no Congresso, Trump adotou um discurso conciliador em prol do bem comum

Publicado em 06/02/2019, às 09h27

"Devemos rejeitar as políticas de vingança e retaliação e abraçar o potencial ilimitado de cooperação, compromisso e bem comum", afirmou o presidente
Foto: Doug Mills/AFP
Agência Brasil

Em discurso no Congresso, o presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, apelou por um compromisso entre democratas e republicanos em prol do bem comum, reiterou a construção do muro na fronteira com o México e criticou as investigações contra ele. Trump também anunciou um segundo encontro com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, no fim deste mês. "Devemos rejeitar as políticas de vingança e retaliação e abraçar o potencial ilimitado de cooperação, compromisso e bem comum", destacou Trump ao mencionar o esforço comum para eliminar diferenças partidárias.

Críticas

O presidente norte-americano criticou as apurações em curso contra ele, classificando-as de "investigações ridículas por motivações partidárias" que podem afetar o progresso econômico do país. "Se deve haver paz e legislação, não pode haver guerra e investigação", afirmou.

O discurso de Trump foi acompanhado de perto pela presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, que é de oposição ao governo, e o vice-presidente da República, Mike Pence, além dos parlamentares presentes. O novo Congresso reúne 131 mulheres, o maior número da história, Trump citou esse fato.

Coreia do Norte

O presidente dos EUA disse que se reunirá com o líder  norte-coreano, Kim Jong-un, nos dias 27 e 28 de fevereiro no Vietnã. “[O encontro faz] parte de uma nova e ousada diplomacia, continuamos nosso esforço histórico pela paz na Península Coreana."

"Muito trabalho ainda precisa ser feito, mas meu relacionamento com Kim Jong-un é bom. O presidente Kim e eu nos encontraremos novamente nos dias 27 e 28 de fevereiro no Vietnã", afirmou no discurso.



O Departamento de Estado norte-americano informou anteontem (3) que Stephen Biegun, representante especial dos Estados Unidos para assuntos relacionados à RPDC, iria viajar para Pyongyang hoje (6),  para reuniões com Kim Hyok Chol, representante norte-coreano, a fim de lançar as bases para a segunda cúpula Trump-Kim.

A mídia norte-americana informou que a localização específica da segunda reunião entre os dois presidedntes seria discutida durante a viagem de Biegun à Coreia do Norte e anunciada posteriormente.

Primeiro encontro

Trump reuniu-se com Kim Jong-un pela primeira vez em Cingapura em 12 de junho, negociando vários acordos para a melhoria das relações entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte. Porém, as diferenças entre os dois lados permanecem sobre questões-chave, incluindo a escala da desnuclearização, as sanções norte-americanas e a emissão de uma declaração de fim de guerra.

Na viagem que fez à China, de 7 a 10 de janeiro, Kim Jong-un disse que Pyongyang fará esforços para a segunda cúpula entre a Coreia do Norte e os líderes norte-americanos, com o objetivo de alcançar resultados que serão bem recebidos pela comunidade internacional.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM