Jornal do Commercio
CRISE

Embaixadora da Venezuela em Brasília trabalha em sala emprestada

A sala foi emprestada por um amigo brasileiro. A embaixadora está hospedada em um hotel às margens do Lago Paranoá

Publicado em 12/02/2019, às 07h44

A sala comercial que abriga a embaixadora fica perto da Esplanada dos Ministérios / Foto: Mario Roberto Duran Ortiz/Wikipédia
A sala comercial que abriga a embaixadora fica perto da Esplanada dos Ministérios
Foto: Mario Roberto Duran Ortiz/Wikipédia
Estadão Conteúdo

Uma sala comercial próxima à Esplanada dos Ministérios abriga desde esta segunda-feira a embaixada informal da Venezuela comandada pelo autodeclarado presidente, Juan Guaidó. À frente está a advogada María Teresa Belandria, especialista em direito internacional e ex-assessora da opositora María Corina Machado.

A Embaixada da Venezuela que segue as orientações do governo de Nicolás Maduro continua em funcionamento. Mas desde maio de 2016 não tem um embaixador, depois que Alberto Castellar foi chamado de volta a seu país em represália ao impeachment da presidente Dilma Rousseff. E, desde dezembro de 2017, sem o número dois da hierarquia, o encarregado de negócios Gerardo Delgado, declarado persona non grata pelo governo brasileiro depois que a Venezuela fez o mesmo com o embaixador brasileiro em Caracas, Ruy Nogueira

Para marcar sua chegada ao Brasil, María Teresa esteve nesta segunda-feira no Itamaraty e entregou suas cartas credenciais ao ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Oportunamente, pretende se reunir com o presidente Jair Bolsonaro.



"Não será uma diplomacia tradicional", disse ela. "É uma diplomacia inédita, porque precisamos estar onde estão os cidadãos venezuelanos que necessitam, e isso é na fronteira."

Sem salário

Financiada por apoiadores do governo Guaidó, a maior parte venezuelanos que se encontram fora do país, María Teresa veio ao Brasil sem salário. A sala foi emprestada por um amigo brasileiro. Por ora, a embaixadora está hospedada em um hotel às margens do Lago Paranoá.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM