Jornal do Commercio
Notícia
crise

Ativistas dormem na embaixada da Venezuela nos EUA para evitar chegada de delegação de Guaidó

O prédio de quatro andares localizado no bairro nobre de Georgetown permanece quase vazio e fechado ao público, depois que a maioria dos diplomatas deixou o país após de perder sua credencial

Publicado em 20/04/2019, às 13h06

Manifestantes querem impedir a chegada da delegação do líder opositor Juan Guaidó, reconhecido pelos Estados Unidos como presidente interino / Foto: Federico Parra / AFP
Manifestantes querem impedir a chegada da delegação do líder opositor Juan Guaidó, reconhecido pelos Estados Unidos como presidente interino
Foto: Federico Parra / AFP
AFP

Ativistas americanos estão ocupando a embaixada da Venezuela em Washington para impedir a chegada da delegação do líder opositor Juan Guaidó, reconhecido pelos Estados Unidos como presidente interino, depois de os últimos diplomatas do governo de Nicolás Maduro perderem suas credenciais.

O prédio de quatro andares localizado no bairro nobre de Georgetown permanece quase vazio e fechado ao público, depois que a maioria dos diplomatas deixou o país após de perder sua credencial, quando os Estados Unidos se tornaram um dos primeiros países a reconhecer Guaidó, o líder parlamentar que se autoproclamou presidente interino no dia 23 de janeiro. 

Os últimos oficiais que ainda eram oficialmente emissários estrangeiros, por serem representantes da Organização dos Estados Americanos (OEA), partirão nos próximos dias, depois que a entidade decidiu, em 18 de abril (por 18 votos a favor), aceitar o enviado de Guaidó, Gustavo Tarre, como representante da Venezuela até que haja novas eleições.



Vigília

O prazo para a delegação de Maduro deixar o prédio é 25 de abril, mas ativistas dizem que não vão sair de lá. Seu objetivo, segundo a organização Code Pink, é impedir que "a oposição venezuelana tome o prédio diplomático que pertence ao governo eleito" e, para isso, organizou "uma vigília 24 horas por dia, sete dias por semana para proteger a embaixada". 

"Estou aqui porque estou furiosa porque estamos vendo um golpe em câmera lenta. Durante minha vida vi golpes e intervenções militares americanas suficientes, e eles sempre acabam mal para o povo do país", diz Medea Benjamin, integrante do Code Pink. 

Os ativistas, que têm o consentimento do governo, organizam eventos culturais e se revezam no prédio. Alguns vêm de outras cidades americanas.



OFERTAS

Especiais JC

Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.
Mãe Guerreira Mãe Guerreira
Junto com uma criança, nasce sempre uma mãe, que enfrenta inúmeros desafios para educar, acolher e dar o melhor aos filhos. Por isso, todas elas carregam em si a força e a coragem de verdadeiras guerreiras.
JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM