Jornal do Commercio
PREMIAÇÃO

Nobel de Química vai para trio americano-britânico-japonês por baterias de lítio

O prêmio Nobel de Química foi concedido nesta quarta-feira (9). As baterias de lítio estão presentes em muitas tecnologias cotidianas

Publicado em 09/10/2019, às 09h03

O Prêmio Nobel de Química foi concedido nesta quarta-feira ao americano John Goodenough, ao britânico Stanley Whittingham e ao japonês Akira Yoshino / Naina Helen JAMA / TT News Agency / AFP
O Prêmio Nobel de Química foi concedido nesta quarta-feira ao americano John Goodenough, ao britânico Stanley Whittingham e ao japonês Akira Yoshino
Naina Helen JAMA / TT News Agency / AFP
AFP

O Prêmio Nobel de Química foi concedido nesta quarta-feira (9) ao americano John Goodenough, ao britânico Stanley Whittingham e ao japonês Akira Yoshino pela invenção das baterias de íon-lítio, presentes atualmente em muitas tecnologias cotidianas.

"Esse tipo de bateria leve, recarregável e poderosa é usada atualmente em todos os lugares, em telefones e computadores e veículos elétricos", afirmou a Academia Real Sueca de Ciências, que concede o prêmio.

"Ela também pode conservar quantidades significativas de energia solar e eólica, abrindo caminho para uma sociedade livre de combustíveis fósseis", explicou.

Após as crises do petróleo dos anos 1970, Stanley Whittingham, 78 anos e atualmente professor na universidade de Binghamton (Nova York), começou a pesquisar fontes de energia não fósseis. 

Foi assim que criou um cátodo inovador em uma bateria de lítio a partir de dissulfeto de titânio (TiS2).

John Goodenough, que aos 97 anos se torna o ganhador do Nobel mais velho da história, atualmente professor na universidade do Texas, previu que as propriedades desse cátodo poderiam aumentar se ele fosse produzido a partir de óxido metálico em vez de dissulfeto. 

Em 1980, ele demonstrou que a combinação de óxido de cobalto e íons de lítio poderia produzir até 4 volts.

A partir dessas descobertas, Akira Yoshino, de 71 anos, criou a primeira bateria comercial, em 1985.

Primeiro metal da Tabela Periódica de Mendeleev, o lítio também é o mais leve, uma característica importante para os dispositivos eletrônicos.

Mais de três décadas depois, a demanda por baterias de íons-lítio explodiu, particularmente com o desenvolvimento do mercado de veículos elétricos no contexto do aquecimento global.

"Acredito que a mudança climática é um desafio muito sério para a humanidade, e as baterias de íon-lítio podem armazenar eletricidade", disse Akira Yoshino, professor na universidade Meijo, em Nagoya, no Japão, após o anúncio da premiação.

Demanda em alta

"No contexto de crise climática atual, essas descobertas beneficiam a humanidade de várias maneiras", disse Pernilla Wittung-Stafshede, membro da Real Academia de Ciências, entrevistada pela AFP

No início, apenas 6% da produção global de lítio era destinado a baterias, mas hoje é responsável por 35%. 

Além das baterias, é usado na fabricação de vidro, cerâmica, alumínio, medicamentos.

"Nossa vida cotidiana depende dessa bateria de íon-lítio. Seja em nossos notebooks, computadores, carros híbridos ou elétricos, todos esses objetos eletrônicos são baseados na tecnologia de íon-lítio", explicou à AFP Jean-Marie Tarascon, químico do CNRS e professor do Collège de France.



Impulsionada pelo aumento da demanda, a produção global aumentou constantemente nos últimos anos: + 74% em 2017, + 23% em 2018 para 85.000 toneladas de lítio, de acordo com o relatório anual do United States Geological Survey (USGS).

Em 2018, a Austrália foi o maior produtor mundial de lítio (51.000 toneladas), seguido pelo Chile (16.000), China (8.000) e Argentina (6.200).

Cinco mulheres premiadas

O prêmio de Química de 2018 foi para a americana Frances Arnold, seu compatriota George Smith e o britânico Gregory Winter por seus trabalhos explorando os mecanismos da evolução para criar novas e melhores proteínas em laboratório.

Antes de Frances Arnold, Marie Curie (1911), sua filha Irene Joliot-Curie (1935), Dorothy Crowfoot Hodgkin (1964) e Ada Yonath (2009) foram distinguidas em química.

Quando recebeu seu prêmio, Marie Curie se tornou a primeira ganhadora a ganhar dois prêmios Nobel, depois de já ter sido agraciada com o Prêmio de Física em 1903. 

A Medicina abriu a temporada do Nobel de 2019 na segunda-feira com a coroação de dois americanos, William Kaelin e Gregg Semenza, bem como do britânico Peter Ratcliffe, autores de descobertas sobre a adaptação das células à falta de oxigênio que abrem perspectivas promissoras para o tratamento do câncer e da anemia. 

O prêmio de Física foi entregue na terça-feira ao canadense-americano James Peebles, que seguiu os passos de Einstein para esclarecer as origens do universo, e aos suíços Michel Mayor e Didier Queloz, que revelaram pela primeira vez a existência de um planeta fora do sistema solar.

Quinta-feira será a vez do Nobel de Literatura, que terá dois vencedores, um para 2018 e outro para 2019, depois que a Academia Sueca, que o concedeu, adiou a premiação do ano passado em razão de um escândalo de agressão sexual.

O Prêmio Nobel de Economia, criado em 1968 pelo Banco da Suécia por ocasião do seu centenário, marcará a temporada de premiações concedidas pelas instituições suecas.

Enquanto isso, em Oslo, na sexta-feira, 11 de outubro, será entregue o prestigioso prêmio da Paz pelo Comitê do Nobel da Noruega. 

Os laureados recebem um cheque de 9 milhões de coroas (830.000 euros), a ser compartilhado, se necessário, entre os ganhadores do mesmo prêmio, além de uma medalha e um diploma.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM