Jornal do Commercio
ELEIÇÕES

Bolívia a uma semana das eleições mais disputadas em décadas

O presidente Evo Morales, que disputa o quarto mandato, corre, pela primeira vez, o risco de perder a disputa

Publicado em 13/10/2019, às 21h06

Morales, que fará 60 anos em 26 de outubro, venceu com folga as últimas três eleições / Foto: Yamil Lage / AFP
Morales, que fará 60 anos em 26 de outubro, venceu com folga as últimas três eleições
Foto: Yamil Lage / AFP
AFP

A Bolívia entrou na reta final da campanha para as eleições do próximo domingo, nas quais o presidente Evo Morales tenta um quarto mandato e que, segundo as pesquisas de opinião, serão as mais disputadas em décadas.  

Faltando uma semana para as eleições, as pesquisas de opinião preveem resultados divergentes: uns antecipam que o presidente de esquerda será reeleito em primeiro turno, mas outros dizem que terá que disputar o segundo com o opositor de centro Carlos Mesa, que governou a Bolívia em 2003-2005. 

Morales, que fará 60 anos em 26 de outubro, venceu com folga as últimas três eleições. Pela primeira vez, corre o risco de ser tirado do poder nas urnas, embora lhe favoreça que a oposição chegue fragmentada com oito candidatos às eleições de 20 de outubro. 

Uma consulta da empresa Ipsos, divulgada neste domingo, deu a Morales 40% das intenções de voto, 18 pontos a mais que Mesa (22%).  

O presidente se reelege no primeiro turno se conseguir 50% mais um dos votos ou se, tendo mais de 40%, obtiver uma vantagem de 10 pontos sobre o segundo colocado. 

O resultado previsto pela Ipsos tornaria, portanto, desnecessário o segundo turno, mas outras pesquisas dizem o contrário, razão pela qual as autoridades têm tentado silenciá-las. 

Um estudo da Universidade Mayor de San Andrés (UMSA), a principal da Bolívia, atribuiu ao presidente indígena indígena 32,3% dos votos contra 27% para Mesa, o que forçaria um segundo turno em que os votos de todos os opositores poderiam se aglutinar. 

O Órgão Eleitoral, ligado a Morales, não autorizou a UMSA a publicar esta pesquisa e por isto o reitor desta universidade pública, Waldo Albarracín, denunciou "censura" e divulgou os resultados no Twitter, despertando a ira do governo. 

"O que se pode esperar de Albarracín, ele passou para a história negra da UMSA", declarou o ministro do Governo (Interior), Carlos Romero, destacando que Morales recebe o "apoio multitudinário" em outras pesquisas e em viagens pelo país. 



O ministro assegurou que os bolivianos votarão pela "certeza" da prosperidade econômica nos 13 anos do governo atual, argumento ao qual Morales também recorreu neste domingo. 

"Demonstramos que a Bolívia tem muita esperança, tem muito futuro no econômico em especial", disse o presidente, ao entregar obras públicas em La Paz. 

Sem maioria legislativa

Todas as consultas posicionam em terceiro lugar o senador de direita Oscar Ortiz, com quase 10% e em quarto o ultraconservador pastor evangélico Chi Hyun Chung, com 6%. 

Este pastor, nascido na Coreia do Sul e naturalizado boliviano, despertou a fúria de coletivos de minorias sexuais ao recomendar há um mês tratamento psiquiátrico para gays e lésbicas. 

Os outros cinco candidatos opositores não superam os 2% das intenções de voto, enquanto os indecisos beiram os 10% faltando uma semana para as eleições bolivianas mais disputadas desde os anos 1950. 

Além do novo presidente e vice para o período 2020-2025, nas eleições serão escolhidos os 166 membros do Congresso bicameral. 

No entanto, as pesquisas antecipam que o vencedor das presidenciais carecerá de maioria absoluta no Parlamento, algo que até agora permitia a Morales levar adiante todas as suas propostas. 

A Igreja Católica advertiu nesta sexta-feira para um clima de "desconfiança" em setores bolivianos por medo de uma possível "manipulação" dos resultados, uma afirmação rechaçada pelo governo. 




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM