Jornal do Commercio
Notícia
IRAQUE

Ataque americano aviva no Iraque recordação dos anos da ocupação

Segundo o secretário-geral da ONU, ''o mundo não pode arcar com outra guerra no Golfo''

Publicado em 04/01/2020, às 19h37

Os ataques supõem uma escalada nas tensões entre o Irã e os Estados Unidos / Foto: HAIDAR HAMDANI / AFP
Os ataques supõem uma escalada nas tensões entre o Irã e os Estados Unidos
Foto: HAIDAR HAMDANI / AFP
AFP

O ataque dos Estados Unidos que matou um general iraniano fez o Iraque recordar os anos seguintes à invasão americana em 2003, com facções que ameaçam novamente as tropas americanas no país e o temor de uma guerra no Golfo. 

O ataque com drone em Bagdá matou, na sexta-feira, o general iraniano Qasem Soleimani e seu braço-direito no Iraque, Abu Mahdi al Muhandis. Horas depois, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, afirmou que "o mundo não pode arcar com outra guerra no Golfo".

O ataque supõe uma escalada nas tensões entre o Irã e os Estados Unidos no território iraquiano e desencadeou críticas contra Washington, como nos anos após a invasão que derrubou o ditador Saddam Hussein. "A retórica antiamericana retorna", diz o especialista Renad Mansour. "Os Estados Unidos não fez algo tão agressivo em muito tempo, por isso trouxe lembranças da ocupação militar americana no Iraque", declarou à AFP.

O primeiro-ministro iraquiano, Adel Abdel Mahdi, condenou o ataque como uma violação da soberania e do mandato do Exército americano. Cerca de 5.200 soldados americanos estão mobilizados no Iraque para treinar e aconselhar as tropas locais na luta contra o que resta do grupo jihadista Estado Islâmico (EI).

As facções pró-iranianas pedem, há meses, que o Parlamento revogue o acordo bilateral que permite a presença das tropas americanas no Iraque. Vários líderes da Hashd Al Shaabi - uma coalizão paramilitar pró-iraniana que faz parte das forças de segurança do Iraque - também pediram a saída das forças americanas. Um deles, Hadi Al Ameri, instou os deputados a "tomar uma decisão corajosa". 

Por sua vez, o clérigo Moqtada Sadr reativou seu Exército Mahdi, uma milícia que lutou contra as tropas americanas após a ocupação, mas que se dissolveu quase uma década atrás. Qais Al Jazali, um líder paramilitar, também pediu que seus combatentes "estejam preparados". E o Kataeb Hezbollah, uma facção de linha dura da Hashd Al Shaabi, previu que o ataque americano será "o começo do fim da presença dos Estados Unidos no Iraque e na região".



Influência do Irã 

Há menos de uma semana, os Estados Unidos matou 25 combatentes do Kataeb Hezbollah em resposta à morte de um americano no norte do Iraque. Em reação, partidários da Hashd Al Shaabi cercaram a embaixada americana em Bagdá. 

Até personalidades iraquianas que não apoiam a coalizão de milícias pró-iranianas, como o principal clérigo xiita, o aiatolá Ali al Sistani, e o presidente Barham Saleh, condenaram o ataque. "É provável que os líderes iraquianos se alinhem mais firmemente com o Irã devido à solidariedade forçada e a certa indignação", escreveu Fanar Hadad, do Centro para o Oriente Médio da Universidade de Singapura.

A televisão pública iraquiana noticiou um novo ataque americano em Bagdá neste sábado contra um comboio da Hashd Al Shaabi. Um porta-voz da coalizão anti-jihadista liderada pelos Estados Unidos garantiu à AFP que "nenhuma operação americana ou da coalizão havia ocorrido". Antes dele, o coronel Myles Caggins, falando apenas em nome da coalizão, disse que "a coalizão NÃO realizou ataques no norte de Bagdá nos últimos dias".

Segundo o analista Nick Heras, o ataque pode ter "repercussões significativas" nas relações entre Washington e Bagdá. Por sua vez, o especialista Hisham al Hashemi acredita que as facções pró-iranianas no Iraque "têm uma ala política e governamental, meios de comunicação, dinheiro, relações, experiência, armas, recursos humanos e um público de apoio".

Ramzy Mardini, do Instituto para a Paz dos Estados Unidos, acredita que a crise pode ser devido a um "erro de cálculo" de ambos os lados, e que os Estados Unidos exagerou a ameaça representada pelo ataque à embaixada. O parlamento iraquiano realizará uma sessão no domingo e os deputados podem pedir a expulsão das tropas americanas. "Os iraquianos estão se dando conta que os Estados Unidos não são aliados de longo prazo", aponta Renad Mansour. "Agora, claramente o Irã tem a vantagem no que diz respeito à influência no Iraque", diz ele.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM