Jornal do Commercio
CORONAVÍRUS

Mortos por coronavírus na China sobe para 17 e aumenta preocupação global

O número total de pessoas infectadas subiu para 444 na província de Hubei, epicentro da epidemia

Publicado em 22/01/2020, às 13h22

O vírus apareceu no mês passado na cidade de Wuhan e já chegou a vários países da Ásia e até aos Estados Unidos. / Foto: NICOLAS ASFOURI / AFP
O vírus apareceu no mês passado na cidade de Wuhan e já chegou a vários países da Ásia e até aos Estados Unidos.
Foto: NICOLAS ASFOURI / AFP
AFP

O novo coronavírus que apareceu na China, já fez 17 mortos e infectou centenas de pessoas, segundo o último balanço, cujo anúncio nesta quarta-feira (22) intensifica a preocupação global.

Um comitê da Organização Mundial da Saúde (OMS) deve se reunir na tarde desta quarta para determinar se deve declarar uma "emergência de saúde pública de alcance internacional".

O número total de pessoas infectadas subiu para 444 na província de Hubei, epicentro da epidemia, anunciaram autoridades locais durante uma coletiva de imprensa televisionada.

O vírus apareceu no mês passado na cidade de Wuhan e já chegou a vários países da Ásia e até mesmo nos Estados Unidos, que registrou um primeiro caso.

Nesta quarta, Hong Kong também informou um primeiro suposto caso em um homem que chegou à cidade procedente de Wuhan.

A secretária de Saúde, Sophia Chan, disse que um homem de 39 anos foi testou positivo num exame preliminar, mas que o resultado final sairá apenas na quinta-feira. O indivíduo foi isolado em um hospital.

O presidente chinês Xi Jinping assegurou por telefone a seu colega francês Emmanuel Macron que a China adotou "medidas de prevenção e de controle", garantindo que seu país "está disposto a trabalhar com a comunidade internacional para responder de forma eficaz à epidemia".

Mais cedo, durante uma coletiva de imprensa em Pequim, o vice-ministro da Comissão Nacional da Saúde, Li Bin, ressaltou que o vírus, que é transmitido pelo trato respiratório, "pode sofrer mutações e se espalhar mais facilmente".

Depois de aparentemente ignorar a epidemia que surgiu no mês passado, os chineses pareciam estar cientes do risco nas principais cidades do país, onde muitos moradores usavam máscaras respiratórias.

Em uma farmácia de Pequim, uma funcionária explicava aos clientes que não tinha mais máscaras nem produtos desinfetantes para vender.

"Os estoques zeraram por causa do que está acontecendo em Wuhan. Quando o número de casos chegou perto de 300, as pessoas perceberam que era sério", disse ela.

Ventilação, desinfecção

Quase metade das províncias do país está em alerta, incluindo megalópoles como Xangai e Pequim.

Também foi detectado um caso em Macau, capital mundial dos jogos de azar, onde os funcionários dos cassinos são obrigados a usar máscaras.



Repetindo um pedido do presidente Xi Jinping para "deter" a epidemia, Li anunciou medidas preventivas, como ventilação e desinfecção em aeroportos, estações ferroviárias e shopping centers. 

Sensores de temperatura corporal também serão instalados em locais movimentados, disse ele.

Muitos países com ligações aéreas diretas ou indiretas com Wuhan, cidade onde a doença surgiu, reforçaram o controle de passageiros, tirando proveito de sua experiência com a epidemia de SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave) em 2002-2003, um vírus da mesma família.

Depois do Japão, Coreia do Sul, Tailândia e Taiwan, os Estados Unidos anunciaram o primeiro caso da doença na terça-feira. 

Trata-se de um homem na casa dos trinta anos, natural de Wuhan e que mora perto de Seattle, no noroeste dos Estados Unidos. 

Ele chegou em 15 de janeiro sem febre no aeroporto de Seattle, e entrou, por conta própria, em contato com os serviços de saúde após o aparecimento dos primeiros sintomas.

Foi hospitalizado por precaução e permanecerá em confinamento solitário por pelo menos mais 48 horas, segundo as autoridades sanitárias.

Suspeitas 

Até o momento, a OMS usou o termo "emergência de saúde pública de alcance internacional" apenas em casos raros de epidemias que exigem uma vigorosa resposta internacional, incluindo a gripe suína H1N1 em 2009, o vírus zika em 2016 e a febre ebola, que devastou parte da população da África Ocidental de 2014 a 2016 e a RDC desde 2018. 

O vírus foi detectado em dezembro em Wuhan, uma megalópole de 11 milhões de pessoas, em um mercado de peixes e frutos do mar. Ainda se desconhece sua origem exata ou o período de incubação.

Vendas ilegais de animais silvestres estavam ocorrendo no mercado, segundo declarou nesta quarta-feira o diretor do Centro Nacional de Controle e Prevenção de Doenças, Gao Fu. Ele, porém, não foi capaz de afirmar se esta era a origem da epidemia.

O prefeito da cidade sugeriu que as pessoas não viagem a Wuhan se não for necessário e que os moradores não deixem o local.

A cepa é um novo tipo de coronavírus, uma família com um grande número de vírus. Eles podem causar doenças leves nos seres humanos (como um resfriado), mas também outras mais graves, como SRAS.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM