Jornal do Commercio
Crise

Veja onda de protestos na Argentina por conta da chegada do FMI

Missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) chegou nesta quarta-feira (12) à Argentina para definir a reestruturação da dívida

Publicado em 12/02/2020, às 17h48

Chegada do FMI na Argentina desencadeia protestos / AFP
Chegada do FMI na Argentina desencadeia protestos
AFP
JC Online

Uma missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) chegou nesta quarta-feira (12) à Argentina para definir a reestruturação da dívida. Este acerto é considerado indispensável pelo presidente Alberto Fernández, um peronista de centro esquerda há dois meses no poder.

A missão liderada pelo venezuelano Luis Cubeddu será a primeira do Fundo a visitar a Argentina desde que Fernández assumiu a presidência em dezembro. O peronista substituiu o liberal Mauricio Macri, que assinou com o FMI, em 2018, um acordo "stand by" de US$ 57 bilhões.

IMPAGÁVEL

Fernández argumenta que a dívida é impagável, enquanto o país recupera o crescimento econômico. Por isso, propôs um adiamento dos pagamentos. A Argentina se encontra em recessão desde meados de 2018, com uma inflação anual de mais de 50%, forte desvalorização monetária e aumento da pobreza e do desemprego. E já existem protestos contra as novas negociações.

"É o pagamento da dívida (pública), ou da dívida que tem com o povo. Não queremos que o dinheiro vá para o Fundo.
Queremos que vá para um plano sério para ajudar os setores mais pobres", reclamou Monica Sulle, militante de esquerda, em uma manifestação ontem (11), em Buenos Aires.



Do montante acordado pelo FMI, a Argentina recebeu US$ 44 bilhões, já que Fernández renunciou às seguintes parcelas.
O total a ser negociado com organizações multilaterais e com detentores de títulos privados é de US$ 195 bilhões (57% do PIB).
Também nesta quarta-feira, o ministro da Economia, Martín Guzmán, apresentará seu plano fiscal ao Congresso.

"Com a reunião com o FMI, começaremos a ver qual é o programa econômico do governo. Os credores precisam conhecê-lo para saber qual é a possibilidade de pagamento para a Argentina", disse à AFP o economista Hécor Rubini, da Universidade de Salvador.
Guzmán já teve algumas reuniões com funcionários do FMI, e Fernández viajou pela Europa para obter apoio para sua proposta. Até agora, o Fundo e o governo argentino se declararam satisfeitos com as trocas.

"O FMI mostra boa disposição, porque deseja cobrar e, em parte, também porque contribuiu para essa situação", considerou Rubini, referindo-se ao maior empréstimo já concedido na história do Fundo.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM