Jornal do Commercio
Artigo
Sem água

Para mudar a dura face da seca no Nordeste do Brasil

Após recente período de estiagem no Nordeste, em 2017, cenário começa a mudar com investimento do Governo Federal

Publicado em 04/05/2019, às 09h29

Governo promete investir R$ 27,5 bilhões para reverter o cenário da seca na região / Foto: Arquivo/JC
Governo promete investir R$ 27,5 bilhões para reverter o cenário da seca na região
Foto: Arquivo/JC
Fernando Bezerra Coelho

A seca tem muitas faces dolorosas, sendo a fome a mais cruel. Sem água, as plantações desaparecem, o rebanho definha e a economia dos pequenos municípios enfraquece. Na literatura, a experiência da fome foi retratada por Rachel de Queiroz no romance “O Quinze”, inspirado na grande seca de 1915. Resiliente, o povo do Nordeste testemunhou outras estiagens severas, como a última, de 2012 a 2017, cujos efeitos ainda se fazem sentir. Mas esse cenário começou a mudar.

A água que o Governo Federal levará para o Nordeste está no Plano Nacional de Segurança Hídrica, que o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, lançou em abril, em Petrolina. O Plano reúne 95 obras estratégicas para aumentar a oferta de água em todo o Brasil até 2035. No total, serão investidos R$ 27,5 bilhões na construção de barragens, sistemas adutores, canais e eixos de integração para evitar os piores impactos da seca.

Aos estados do Nordeste coube a maior parte das obras que compõem o Plano. São investimentos que somam R$ 15,7 bilhões e correspondem a 58% do total. A Pernambuco, coube o maior número de intervenções, já que possui a maior carência hídrica da região. São 14 obras, totalizando R$ 4,5 bilhões. Entre elas, estão o Canal do Sertão Pernambucano, a Adutora do Agreste, a Adutora do Pajeú e o Ramal do Entremontes, além do Ramal do Agreste, que levará a água do Eixo Leste a 68 cidades. Hoje, 2,5 mil trabalhadores atuam nas obras do Ramal.



É importante ressaltar que cada R$ 1,00 investido na oferta de água gera cerca de R$ 15 em benefícios, sendo o maior deles a diminuição do sofrimento do Nordeste, historicamente sujeito a secas prolongadas.

O Plano Nacional de Segurança Hídrica é um sonho que começou em 2011, quando assumi o Ministério da Integração Nacional, como bem lembrou o ministro Gustavo Canuto naquela tarde de abril. Vi minha cidade natal crescer e se desenvolver graças à agricultura irrigada, um esforço que remonta à década de 1960, cuja participação da Codevasf foi decisiva. O sertanejo compreendeu a força transformadora do acesso à água e, hoje, o Vale do São Francisco é responsável por 90% da uva e da manga exportadas pelo Brasil.

Com o Plano Nacional de Segurança Hídrica, a pujança da nossa fruticultura se multiplicará, mudando a paisagem que um dia levou para longe do Sertão o vaqueiro Chico Bento, na obra “O Quinze”.

Fernando Bezerra Coelho é senador pelo MDB de Pernambuco e líder do governo no Senado.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM